Desabafos literários: os caprichos da inspiração


Às vezes, após a inspiração cumprir seu papel, o remorso toma conta de nós. Há textos cujo processo de escrita tem prazo de validade: se não forem transcritos naquele momento, jamais voltarão a dar as caras. E quando o texto vem com força de obra-prima, o temor de perdê-lo é ainda maior.

Não há mal algum em ceder aos caprichos da inspiração. Pelo contrário, a sensação é de satisfação plena, sem ter transgredido nenhuma regra moral. O problema é quando somos inspirados em horários inoportunos, como na alta madrugada (a insônia a serviço da inspiração). Ou em nosso ambiente de trabalho (nos desconectamos mentalmente das nossas obrigações, embora fisicamente estejamos em serviço). Ou ainda durante a conversa com um amigo (o deixamos monologar sem ele saber; nossos ouvidos tornam-se moucos; escutamos apenas nossas ideias).

Quando a inspiração aparece assim, nossa contrapartida emocional é sempre o remorso. Seja pelo fato de cedermos a ela no momento em que estamos socialmente ocupados – ou dormindo. Seja porque não a satisfazemos, e, por consequência, nos lastimamos, pois talvez, ali estaria a oportunidade de escrevermos uma obra célebre ou de pintarmos o quadro mais importante da nossa carreira.

Quem não possui um relacionamento íntimo (simbiótico mesmo) com a inspiração, não consegue compreender esse sentimento de amor servil que temos por ela. A inspiração não é apenas pensamento: é também – e sobretudo – energia, sentimento e emoção. Uma ideia surge num determinado instante; podemos passar a vida inteira sem nos esquecermos dela. Mas quando quisermos transpô-la para o papel (ou para outro suporte artístico), seu elemento principal, que é responsável por traduzir fielmente o que a inspiração nos oferece, não estará ali: a energia criativa.

Por isso, entre a cruz e a espada, é preciso empunhar a que nos trará menos sofrimento na nossa relação com a inspiração. Se for possível (e se não for, que façamos ser) devemos atendê-la no momento em que ela nos chama. De outra forma, seremos os únicos culpados por não permitirmos que fôssemos o veículo para transmitir algo significativo ao mundo (porque esta é a função da arte). E não nos esqueçamos de que a inspiração sempre irá nos invocar, mas cada trabalho a que ela nos incumbe tem o momento único para que seja posto em prática. Ela é caprichosa, não manda fazer novamente. (Texto de Valdeir Almeida).

Imagem: stock.xchng

22 comentários:

  1. Valdeir, é bem assim, é um treino constante entre a inspiração, a ação e a obrigação, que te prende, muitas vezes, em colocá-la em prática. Um pouco consegui driblar este obstáculo: vou alimentando na mente a ideia até que, no momento oportuno, eu uso a "chave mestra - algo que me faça associar à ideia inspirada" e consigo escrever os textos que desejo. Mas há certos assuntos que, realmente, perdem a validade se não forem explorados naquele exato momento. E quantas vezes já me deparei com isso. Entretanto, enquanto uma possível ideia genial se vai, outra pode surgir. Eis o poder da criatividade sempre ativa.

    Muito legal esta reflexão!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Valdeir,

    Excelente post!
    É assim mesmo que acontece: a inspiração chega nos momentos em que estamos incumbidos de outras tarefas e quando vamos passar essa energia criativa para o "papel", o momento se foi e não é mais a mesma coisa.

    Abraços!

    P.S.: Não estava recebendo as suas atualizações. Como o Ponderantes faz parte do meu blogroll e gosto muito dos seus textos, resolvi passar por aqui e descobri que não fazia parte do site. Erro corrigido. Agora é colocar a leitura em dia.

    ResponderExcluir
  3. É assim, mesmo. Já levantei à noite para escrever, quando não o fiz e deixei para o outro dia, a energia inspiradora não estava mais presente.
    Um abraço, meu amigo.

    ResponderExcluir
  4. Geralmente eu paro tudo e anoto. Como estou sempre com o PC ligado, ou tenho um bloco de anotações em minha mochila, deixo registrado o pensamento, a frase ou um parágrafo.
    Gostei deste seu texto.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  5. POis é Valdeir!! Mesmo para uma rude e tosca escrita como a minha necessito de inspiração... ela é como o Vento sopra quando quer e onde quer... Como vc bem colocou... O pior é qd somos induzidos a escrever coisas que o "nosso mundo" não quer ler de nossa pena... Ultimamente tenho escrito com mais liberdade, depois q me desliguei de algumas instituições q me podavam... Grande Abraço camarada!! Seu blog sempre showww!!! Valeuuuu!!!

    ResponderExcluir
  6. Saudações!
    Amigo VALDEIR:
    Que texto fantástico!
    Quando esta fada se manifesta para mim a única maneira que eu tenho de não me arrepender depois e anotando-a imediatamente.
    Muito bem construído o seu texto!
    Parabéns por mais um magnífico Post!
    Abraços,
    LISON.

    ResponderExcluir
  7. olá..
    vim agradecer a visita e conhecer por aqui..
    gostei!
    beijos perfumados

    ResponderExcluir
  8. A inspiração é a urgência do agora...pagaremos o preço devido, se não a salvarmos imediatamente.
    Gostei muito da tua postagem!
    Obrigada por me visitares,me fizestes muito feliz!
    Beijão(que quer dizer:Beijos enorrrrrrrrrrrme...rsrsrsrs...)...

    ResponderExcluir
  9. Boa noite, Valdeir!

    “...Se tens algo a pedir para Deus, que seja o amor, que é o instrumento divino de transformação verdadeira. Não tenha medo de amar, de recomeçar, de transformar, afinal de contas, tudo começa com um gesto, com uma atitude, com um desejo e eu desejo que você realmente seja feliz.”

    Um abraço super carinhoso

    Deus seja sempre a tua fortaleza!

    Yehi Or

    ResponderExcluir
  10. Realmente teu texto é bem fiel ao que passamos mesmo, pelo menos comigo é assim!
    As vezes no meio da madrugada surge aquela ideia repleta de inspiração e pela preguiça de levantar no meio da madrugada acabo deixando e pensando que posso fazer no dia seguinte, puxando pela memória, mas aí no dia seguinte ela não surge nem implorando. E então lá se vai um bom texto, perdido unicamente pela preguiça.
    E quando resolvemos entrar no deserto das palavras... eu estou nessa fase, acho que todos passamos por ela em alguns momentos.

    Desculpe a demora em vir aqui retribuir tua visita, alguns contratempos fazem com que eu ande correndo, rsrs
    Mas serei mais presente pois gostei do teu espaço e de tuas ideias centradas e lúcidas.
    Uma boa noite pra ti!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  11. Quando vem a inspiração é bom que a aproveitemos!
    Ando sempre com algo para escrever.

    ResponderExcluir
  12. Que construção fabulosa você se permitiu nesse texto único, Valdeir!


    Estou assombrada (no bom sentido) de como você captou a essência de um momento de "insight" artístico!
    Vou chamar esse post de o "Tratado da Inspiração" porque cada letra que foi transcrita aqui, é fiel à criatividade que todo artista geralmente tem, quando se "rende" às próprias imaginações.
    Seu texto cumpriu com a tarefa principal: transmitir arte.
    E a sua arte me fez mudar de opinião sob um prisma que carreguei por anos.
    Uma vez um escritor disse que, se a inspiração veio, mas o autor a perdeu pois não a colocou no papel, é porque ela não tinha importância.
    Lendo suas tão inteligentes letras sobre o assunto, penso que nós somos escravos das ideias e elas não se repetem se a perdemos!
    Pode ser o que for: obras corriqueiras, obras célebres, mas o momento é único.
    Seu texto PERFEITO, numa metalinguagem excepcional, fez com que repensemos certos pensamentos de que tudo é passageiro, transladando para o que é criativo, a volaticidade da matéria.
    As circunstâncias podem correr ligeiramente, mas devemos depreender a arte que surge, a ideia que modifica!
    Estamos no trânsito, no trabalho, jogando conversa fora, e daí?
    Aquele momento não voltará mais, portanto, ainda que fugaz, ele nos deixa "sair" um tanto do corpo para receber a inspiração transformadora!
    Quantos de nós já não teve seus ápices de vida, em situações desfavoráveis?
    Assim é a arte, assim é a inspiração.
    Se a situação não facilita, que possamos dar passagem a esse novo que chega, abramos as portas para as ideias inovadoras!

    E como diria Camões sobre o amor, mas que adapto à inspiração, o conceito dele: "É estar preso por vontade".
    A arte inspirada é uma deliciosa prisão, que não queremos de modo algum nos libertar...


    Um beijo, meu amigo!
    Esse seu texto foi escrito sob o crivo da sua mensagem: INSPIRAÇÃO PURA!
    Com certeza se figura, dos seus escritos, dentre os melhores que eu li de todo o tempo que te conheço!!!!
    Aplausos mil!!!!

    Mary:)

    ResponderExcluir
  13. Valdeir
    Para cada um a inspiração chega de uma maneira.
    Curta as suas inspiraçoes.
    com carinho Monica

    ResponderExcluir
  14. Verdade isso....gostei da relação com remorso...bem pensado!

    []s

    ResponderExcluir
  15. Olá amigo
    Compreendo bem sua angústia. As vezes a inspiração vem nas hora e lugares mais inoportunos. Fazer o que? Não mandamos nela.
    Voltei.
    Grande abraço

    ResponderExcluir
  16. E neste momeno parece que ela chegou com toda a força e você não deixou escapar uma só palavra. Viva a inspiração, mesmo que as vezes ela se mostra em horas impróprias, é sempre gratificante. Bjs.

    ResponderExcluir
  17. Quando se tem inspiração, tudo sai mais bonito. É como um pintor que ao desenhar, consegue transparecer laços firmes de uma inspiração interminável. Uma ótima semana e muita inspiração pra você continuar escrevendo textos maravilhosos, capazes de fazer uma reflexão imensa na minha mente.

    Um forte abraço,
    Pedro

    ResponderExcluir
  18. Li apenas seu post, os coments dos amigos não. Mas os prof universitários dizem não existir inspiração ou dom, existe sim a pesquisa e o resultado da pesquisa.

    Eu acredito na inteligencia nata que vai sendo trabalhada. mas..vai saber.

    Abraço

    ResponderExcluir
  19. Buenasss...
    Sou eu!!!!!
    Não acredito que tu dissestes que sou a CristaCristalCristalina,a famosa Olhos Azuis!!!!!
    Devias fazer de conta que não te lembravas de mim...
    Assim eu iria fazer charminho,desfilar minha belezura,piscar para ti,sorrir e até CANTAR com essa maravilhosa voz de MORMAÇO que DEUS me deu!!!!
    Mas tudo bem...o que importa mesmo é que te gosto do jeitinho que tu és!
    Tu não vais acreditar se eu te disser que virei um picolé...de tão frio que está por aqui...mas é a pura verdade!
    Até me derreti ao lembrar que devia passar por aqui novamente,viu???...rsrsrsrsrs...
    Por isso que estás sentindo esse gostinho de doçura...
    Não te beijo,porque senão te meléco...ééékkkaaaaaaa...

    ResponderExcluir
  20. Olá Valdeir!

    Desculpe a ousadia mas propus-lhe um desafio lá no meu blogue. Espero que aceite. :)

    Abraço!

    ResponderExcluir
  21. Hoje estou passando apenas para lhe fazer um convite.
    Estou falando do www.superlinks.blog.br que é um site agregador que vale a pena visitar, pois é mais um espaço no qual você poderá publicar seus links de matérias, pois é um site sério e com critérios bem positivos.
    Espero que goste da dica.
    Um grande abraço

    ResponderExcluir
  22. Parabéns pelo Blog !!

    Inspiração é como o cheiro de terra depois da chuva...

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.