Os olhos do elefante


Raramente escuto alguém mencionar o poema “O Elefante”, de Carlos Drummond de Andrade.

Creio que este seja um dos trabalhos mais brilhantes desse poeta. Trata-se de um elefante que é confeccionado exclusivamente para ir à busca de amigos.

Os olhos configuram o sopro de vida no animalzinho. Agora, vivo e com visão, ele está pronto para sua jornada:

“E há, por fim, os olhos,
onde se deposita
a parte do elefante
mais fluida e permanente,
alheia a toda fraude”.

Os versos posteriores descrevem a saga propriamente dita. O elefante caminha com os olhos sempre atentos, procurando amigos. Esse “olhar” posto para fora representa a ânsia do narrador por ver o mundo sob um novo ponto de vista. Ao fazer isso, ele reconhece o outro e com este tem maior possibilidade de estabelecer laços de amizade.

Recomendo.


A poesia O Elefante compõe a obra “A rosa do povo”. Uma publicação da editora Record.


Imagem: Stock photo

25 comentários:

  1. Eu não tive a oportunidade de ler ainda tal poema, mas pelo o que você nos passou de ser brilhante, e Carlos Drummond de Andrade dispensa comentários neh.!

    Abraços e ótima semana pra você Valdeir.!

    ResponderExcluir
  2. Poema interessante, pois como assim os elefantes, somos nós pessoas, entregando pelo olhar...

    Fique com Deus, menina Valdeir.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. Versos legais ...
    Amei o espaço ;) Já virei seguidora õ/
    Eu estou tentando reconstruir meu blog que foi invadido , e achar blogs legais pra acompanhar :)
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Ainda nao li a "A rosa do povo”, ainda nao encontrei, já li alguns poemas do livro, nada mais. Mas obrigado pela dica e pela explicaçao.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  5. Olhar o outro com outros olhos. Colocar-se no lugar do outro. Talvez seja um dos primeiros passos pra solucao desse caos de hoje das relações humanas....

    ResponderExcluir
  6. Tem selo pra vc lá no meu blog amigo!!
    abraços!!!

    ResponderExcluir
  7. Este poema do Drummond é uma lição de vida para todos nós, se colocar no lugar do outro antes de tomar algumas decisões, é evitar cometer muitos equívocos.
    Abração

    ResponderExcluir
  8. Grande Valdeir,

    Estou de volta à blogosfera.
    Leio bastante poesia, mas confesso não conhecer esta de Drummond, pesquisarei mais.

    Dá uma passadinha lá no meu blog quando tiver tempo.

    abraços

    ResponderExcluir
  9. Valdeir, não conhecia, muito interessante.

    Reconhecer o outro e se relacionar, precisamos muito disso.

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Disse tudo quando falou que o tempo cronológico é o maior vilão da felicidade humana !Sempre que der dou uma passadinha aqui pra te vistar ;) Beijos

    ResponderExcluir
  11. Guardarei esta sua recomendação e o procurarei na Bienal. Com certeza, será mais um bálsamo de leitura :)

    Abraços Valdeir!

    ResponderExcluir
  12. Todo poema de Drummond dispensa comentarios...ele passa uma reverencia enorme no que escreve.....

    abraçao

    ResponderExcluir
  13. Todo relacionamento depende do olho no olho, gosto desse tipo. Abraços

    ResponderExcluir
  14. Valdeir,

    Esse é um dos meus favoritos de Drummond, juntamente com Morte do Leiteiro. Me lembro da primeira vez que o li e fiquei fascinado com o processo criativo, na mente me vem o trecho "Fabrico um elefante com meus poucos recursos". Sem contar a insistência na esperança que é o final do poema.

    Muito bom mesmo.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  15. Valdeir, como vai vc? Obrigada por suas visitas tão amiga! Um super beijo e volto devagar ao blog... A poesia de Drummond é um primor e a do Elefante, vc tem razão, é maravilhosa...
    "fabrico um elefante
    de meus poucos recursos
    Um tanto de madeira,
    tirado a velhos móveis
    talvez lhe dê apoio.
    E o encho de algodão
    de paina , de doçura
    A colar vai fixar
    suas orelhas pensas
    A tromba se enovela, e é
    a parte mais feliz de sua arquitetura
    Mas há também os dentes
    dessa matéria prima
    que não sei figurar.
    Tão alva essa riqueza
    A esporjar-se nos circos
    sem perda ou corrupção
    E há por fim os olhos
    onde se deposita
    a parte do elefante
    mais fuida e permanente
    alheia a toda fraude...

    E por aí vai lindamente....

    Muito bem lembrado!

    Super beijo, fique com Deus e bom final de semana,

    CON

    ResponderExcluir
  16. Valdeir

    "Esse “olhar” posto para fora representa a ânsia do narrador por ver o mundo sob um novo ponto de vista."
    Gostei da sua reflexão em relação ao poema "O elefante".
    Precisamos ver o mundo sobre vários pontos de vistas e ter sempre um novo ponto de vista, olhar com estranhamento... dá para filosofar muito.
    Muito interessante, parabéns!
    Abraços,
    Marise.

    ResponderExcluir
  17. Francamente, não me lembrava deste interessante poema.
    Eu queria ter o cérebro do elefante. Eles são incríveis, nunca me canso de ver reportagens a respeito. Sempre tem algo bom para aprendermos.

    ResponderExcluir
  18. Realmente precisamos ter olhos bem a frente para encontrar amigos. Uma bela poesia.
    Abraço

    ResponderExcluir
  19. Valdeir
    Voltei para dizer que tem uma homenagem para você lá no blog.

    ResponderExcluir
  20. Olá Valdeir.

    Volto aqui para matar a saudade. Sempre que o tempo permite aproveito para visitar e me atualizar. Confesso que estou ausente face às atividades, mas como diz o poeta; “amigo é coisa para se guardar debaixo de sete chaves, assim falava a canção...” Aproveito para compartilhar o poema a seguir;
    "Viva a Vida"...
    “Por que Viver é Exalar Pura Energia!
    É Devolver Sorrisos.
    É Acreditar que o Bem Sempre Vence o Mal.
    É Conquistar Amigos.
    É Ser Sempre Leal e Fiel.
    É Transformar a Dor em Alegria.
    É Ter Amor no Coração.
    É Correr Atrás dos Sonhos, da Inspiração, e dos Projetos
    Buscando Sempre o Entendimento das Coisas.
    Viver é Ser Sempre da Paz.
    É Orar em Agradecimento pelas Dádivas Recebidas.
    É Buscar o que Te Faz Bem, e aos Outros Também.
    Viver é Lembrar que o Sorriso é o Idioma Universal.
    É Lembrar que o Final não Existe.
    É Saber que Tudo é um Eterno Recomeço.
    E Ver a Vida Sempre com o Amor no Coração.” A. d.
    Votos de um ótimo fim de semana. Muita paz, saúde e proteção. Brilhe sempre! Fique com Deus. Sucesso...

    Valdemir Reis

    ResponderExcluir
  21. Amigo esse poema é ótimo, eu já vi..outra vez.

    Abraços


    Hugo

    ResponderExcluir
  22. Muito obrigado por ter retríbuido "seguindo" meu blog tb !
    achei interessantíssimo aqui !
    abraços !
    ótimo poema

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.