Igual-Desigual – Diálogo com Carlos Drummond de Andrade


Igual-Desigual

Eu desconfiava:
todas as histórias em quadrinho são iguais.
Todos os filmes norte-americanos são iguais.
Todos os filmes de todos os países são iguais.
Todos os best-sellers são iguais.

.........................................................................................................................
Contudo, o homem não é igual a nenhum outro homem, bicho ou
coisa.
Não é igual a nada.
Todo ser humano é um estranho
ímpar



Drummond,

Hoje as coisas (e bichos também) continuam iguais. Mas o homem mudou, não é mais ímpar: está invadindo o território das coisas e tornando-se como elas.

Agora, poucas vezes se pergunta como a pessoa está, do que gosta e o que sente. O mais importante é o que se possui. TER um carro do ano é mais imprescindível do que SER gente.

Portanto, Drummond, atualmente,

O homem é igual a qualquer outro homem e coisa.
É igual a tudo.
É ser previsível:
comum



22 comentários:

  1. Drummond é Drummond... Eis o meu Rei... Meu "muso" inspirador apesar de eu nem chegar perto do que ele escreve...

    Excelente postagem Valdeir...

    Abração...

    ResponderExcluir
  2. Lamentável! Mas real. Bela atualização do poeta.
    Ser é grande, ter passa.
    É preciso ser para ter o entendimento.

    Abração, meu amigo.

    Bom que esteja de volta!!!!

    ResponderExcluir
  3. Olá amigo
    O homem está se tornando padronizado pela mídia e pelo desejo de ter. As individualidades estão ser tornando cada vez mais coletivas.
    Abração

    ResponderExcluir
  4. Pode até ser igual, mas com cabeça diferente... Beijos Amelia

    ResponderExcluir
  5. Fato Valdeir...
    Fez-me refletir!
    bjs
    Mila

    ResponderExcluir
  6. É Valdeir! E esta vontade de tudo ter, está o afastando de ser.

    De "ser" uma pessoa com caráter e valor.

    Abraços

    ResponderExcluir
  7. Realmente, viramos um cultura de massa, e com tal, padronizado e iguais...

    Fique com Deus, menino Valdeir.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  8. Parabéns pelo post!!! Com o avanço da sociedade capitalista, passamos da condição de pessoa (ser humano) para consumidores. Prova disso, é a realidade de setores fundamentais como Educação e saúde que cada vez mais funcionam como grandes empresas fornecedoras de serviços. Grande abraço!!!

    ResponderExcluir
  9. Valdeir!

    Tentei completar o seu diálogo sobre o 'homem'. Mas soou como se eu estivesse falando para você. Vi agora, não tome como assim a interpretação. Não estavaa falando de você ok?

    O texto é bom e reflexivo. E me desculpe se fui muito genérico.

    ResponderExcluir
  10. Meu caro Valdeir, é a própria poesia que nos "desformata" e revela o um do múltiplo e o múltiplo do um. Ela mesma, com seu poder desconcertante de provocar compreensões nos faz acreditar que, mesmo diante de tantas forças de padronização, o homem, quando mergulha em si, descobre-se único, diverso de tudo e de todos que o cercam.

    Parabéns pela postagem!

    Um forte abraço.

    ResponderExcluir
  11. Drummond conseguia uma clareza com as palavras de fazer inveja. Ainda acho que ele é atual, concordo, apesar de o homem se massificar, ele continua ímpar.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  12. Neto,

    Não se preocupe, não. Eu entedi o que você quis dizer.

    Abraços e ótimo final de semana.

    ResponderExcluir
  13. E mais uma vez, você está coberto de razão, meu amigo.
    Ficamos felizes com seu e-mail. Eu e San esperamos que esteja tudo bem.

    Ótimo fim de semana pra vc.
    Deus seja contigo!

    ResponderExcluir
  14. O capitalismo - cada vez mais voraz - tem nos levado a pensar e respirar dinheiro - o ter. Está impresso na nossa alma (sobretudo, nós do ocidente). Desarraigar isso do nosso ser é desafio constante, inquietante e, claro, saudável para a humanidade e o mundo; ou então, coisificamo-nos.

    Incisivo texto! Boa releitura de Drummond, caro Val!

    ResponderExcluir
  15. Eu concordo com vcs, mas acho o Tarantino um fodástico diretor de cinema rs
    abraços!

    ResponderExcluir
  16. Gostei do post.
    Fomenta a discussão sobre a igualdade. Sem querer relativisar as coisa, mas ainda sim o fazendo, diria o homem se converge e diverge no que tange a este aspecto de igualdade. Prefiro ver todo os homens como iguas e comuns a sí próprio. No entanto diversos fatores me levam a enteder que cada homem é um ser estrano e "ímpar", sejam, por exemplo, no que diz respeito a religião, ideologias ou aspirações artíticas e etc...

    Parabéns Valdeir! Bom final de semana!

    ResponderExcluir
  17. Esse é o grande Drumond, sempre vivo e antenado com o nosso mundo real!
    Meus parabéns pela escolha do texto e um grande abraço!

    ResponderExcluir
  18. Como sempre suas postagens, são maravilhosas, parabéns. Os homem podem serem iguais , mas com comportamentos totalmente diferentes.
    Grande Drummond de Andrade,sempre claro e objetivo nos seus textos.
    Beijos Valdeir, ótimo domingo e maravilhosa semana a vc.

    ResponderExcluir
  19. há esperança Valdeir, enquanto algumas vozes disserem não a esse processo de "coisificação".

    ResponderExcluir
  20. Valdeir
    caríssimo
    "... é ser previsivel, comum"
    acredito muito nesta frase. Infelizmente, estamos perdendo a nossa tão querida individualidade e o nosso jeitinho especial de ser.
    é uma pena.
    mas, eu sou teimosa, não desisto, empaco e continuo sendo eu mesma.
    beijinho
    ah, tem um selinho pra você no http://www.tocdemenina.blogspot.com
    abraços

    ResponderExcluir
  21. Valdeir, não ouso discordar de vc. Pena, né? Tem um selo da campanha contra bullying no Mãe é tudo igual pra vc.

    bjs

    ResponderExcluir
  22. Ah o Drummond!
    Seu blog está de parabéns, estou sempre por aqui.
    Belos textos.
    Um beijo.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.