25 de novembro de 2011

A vida é como uma onda

Não se iluda: não existe estabilidade, nem mesmo quanto à felicidade. O emprego dos sonhos torna-se monótono quando nada de novo acontece.

A lua de mel eterna refletida nas águas límpidas é entediante se a rotina tomar conta. Deixe-se levar pelas ondas. Mergulhe no desconhecido. Não cometa o erro de refugiar-se na falsa segurança.

Texto inspirado na música Como Uma Onda


Composição: Lulu Santos / Nelson Motta 


(Texto de Valdeir Almeida)



Imagem: stock.xchng

14 comentários

Valdeir Almeida 24 de novembro de 2011 13:15  

Este texto está programado há semanas. Coincidentemente, o post mais recente da minha amiga Mary Miranda abordou o assunto, mas com outro tema. O texto dela é emocionante; a leitura fez-me pôr em xeque, por alguns minutos, os argumentos do meu post. Mas depois percebi que, apesar de não terem relação direta, meu texto e o de Mary não se confrontam.

Ela apresenta, de forma emocionante – como já dito – e criativa o conceito que, erroneamente, o senso-comum tem de felicidade: momentos inusitados: “A rotina do dia-a-dia é felicidade porque cumpre-se o mérito da questão: um fio solto da roupa é que será motivo de comentários, e não a costura que entrou no entalhe libertado pela agulha costureira!...”

Já o meu post trata da falsa segurança que a felicidade provoca em algumas pessoas. Muitos se acomodam neste mar: não buscam mudanças, seguem a teoria do “em time que está ganhando não se mexe”. Entretanto, um dia, serão as rãs insensíveis às necessidades das ondas.

Élys 24 de novembro de 2011 14:20  

A felicidade é construção diária. Nada está pronto, tudo tem que ser sempre renovado e deste modo vamos crescendo e evoluindo, na felicidade da busca.
Um abraço.

Rute 24 de novembro de 2011 19:52  

É o tempo que determina o valor de todas as coisas. Por esse motivo, embora tenhamos plena certeza de que uma teoria seja absolutamente verdadeira, inalterável e eterna, não podemos saber quando aparecerá outra que a destrua, nem quem o fará.

Beijos

Paulo Francisco 24 de novembro de 2011 20:41  

Sim, mas quando ela chega vamos curtí-la ao máximo. não é mesmo?
Um abraço

Weslley Almeida 24 de novembro de 2011 20:57  

Val, esse seu texto fala ao meu momento...!
As idas e vindas das ondas são mesmo o fluxo da vida. Coisa é saber surfar sobre elas.
Mas vamos nos desafiando...!
Abraços!

Eloah 24 de novembro de 2011 21:54  

Tens razão amigo a mesmice torna-se monótona.É nos altos e baixos da vida que reside o segredo do encanto e dos momentos plenos de felicidade.Belo texto.
Forte abraço Eloah

Artes e escritas 24 de novembro de 2011 22:08  

A relatividade a qual estamos sujeitos, Einstein explica...Um abraço, Yayá.

Mary Miranda 25 de novembro de 2011 18:35  

Querido Valdeir,

Tomei a liberdade de ler seu comentário antes sobre um suposto confronto que poderia ocorrer entre o meu e o seu post, percebendo, enfim, que a sua conclusão está correta.
Realmente são focos diferentes, mas que não se chocam porque, apesar da felicidade ser natural e detentora da "rotina" da vida, ela também é como seu lindo post nos mostra, que a vida é um processo contínuo, que leva a caminhos diversos, e até mesmo a estável felicidade, "salta" para outros lados, acompanhando as ondas de um mar, bravio ou não.
Comparando com um alimento, vejamos: se alguém come uma lasanha e a adora, sentirá o mesmo prazer se comer pizza, se adorar igualmente esse alimento.
A felicidade estará nos dois pólos, sem nenhuma situação de satisfação a atrapalhar a outra porque para ser feliz não é necessário subtração de plenitudes -ao contrário, porém - o convite é à adição! (Espero não ter "delirado" muito! rs)
Se formos ver bem, amigo, a maioria de nós tem falsa conceituação do que seja felicidade. E agarrar-se a velhos conceitos "perpetuados" por gerações antecedentes, é como você falou: comodismo numa segurança que não existe ...
Por fim, obrigada por ter mencionado meu texto aqui em seu blog, o que só me enaltece e alegra!

Beijos mil! ("Como uma onda", do Lulu Santos, é uma das melhores páginas do campo musical brasileiro!!!! E não é conversa de fã desse pop-roqueiro! rs)

Mary:)

Mônica 25 de novembro de 2011 21:51  

Valdeir
eu sou do tempo desta musica.
e sempre digo que tudo sempre passará
O que é bom e o que é ruim. E so esperar.
E é como as ondas do mar mesmo. A vida se modifica com o tempo.
com carinho e amizade.
Obrigada pelo seu comentario que eu adorei

Luma Rosa 26 de novembro de 2011 00:08  

Somos todos viciados em endorfinas. As formigas são os seres que mais carregam endorfinas dentro de si. Pois que não queremos ser formigas, queremos? Felicidade é sintoma de estar bem com a nossa saúde mental. Não é errado dizer que somente os loucos são felizes (rs*). Felicidade também é questão de ponto de vista. Foi o que comentei no blogue da sua amiga, além de citar Pablo Picasso "Há pessoas que transformam o sol numa simples mancha amarela, mas há aquelas que fazem de uma simples mancha amarela o próprio sol"
Bom fim de semana!! Beijus,

mfc 27 de novembro de 2011 18:58  

Arrisco todas as semanas na lotaria e não me tem saído nadinha!!!

Esplendor da Criação 28 de novembro de 2011 23:36  

Olá!
Linda e verdadeira observação, imagina se todos os dias fossem iguais, quanta monotonia! A música é linda! Adorei o comentário na poesia de william, hummm, a visão de um poeta, perfeita! Bjs.

Átila Goyaz 30 de novembro de 2011 11:47  

O bom é se surpreender sempre.
Abraços!

Amanda 30 de dezembro de 2011 17:09  

perfeito! perfeito!

E a música então... linda toda! :D

Postar um comentário

Blogs Indispensáveis

Membros

Creative Commons License
O Blog Ponderantes está licenciado sob uma licença Creative Commons.

© Ponderantes 2008-2012 Todos os Direitos Reservados | Início |Créditos

Voltar ao TOPO