12 de maio de 2010

A dor de amar



Um amor não se cura com outro, pois o mal não estaria no amor antigo, mas na dor que este provocou. Daí, surgem mais questionamentos do que certezas. Há dor onde existe amor? É possível amar alguém, quando ainda se está envolvido emocionalmente com outra pessoa? A complexidade do amor não estaria na diferença dos seus possuidores?



A música tenta desvendar esses mistérios. Leoni (e também o Kid Abelha) cantava “Ainda encontro a fórmula do amor” (A Fórmula do Amor). Talvez, se o amor fosse propriedade química, poderíamos observá-lo, analisá-lo, estudá-lo como fazem os cientistas, quando querem concretizar coisas abstratas. Desse modo, os pré-apaixonados só investiriam suas energias e emoções em amores que seus organismos pudessem “absorver”. E, se estivessem autorizados clinicamente para amar, saberiam quais as doses de amor conseguiriam suportar.

Já Djavan, ao que parece, não entende o amor como um mistério. Em sua canção, ele diz: “Por ser exato, o amor não cabe em si / Por ser encantado, o amor revela-se / Por ser amor, invade e fim” (Pétala). Pelo visto, para o cantor, o amor não precisa de fórmulas para ser conhecido. Se fosse uma ciência, seria exata e ponto final. Mas pensando bem, até este poeta-compositor deixou escapar que o amor tem um quê de mistério: “Por ser encantado, o amor revela-se”. Apesar disso, Djavan não entrou em contradição, pois o amor é assim mesmo: empírico e encantador ao mesmo tempo. É mágico, causa sensações delirantes, alucinações fabulosas, mas também decepciona como vilões de contos de fadas.

Uma coisa é certa: é melhor não sabermos o que é o amor. Não conhecermos sua fórmula. Não deixarmos perder seu encanto. É justamente no mistério que está o seu fascínio. Por ser amor, invade e fim. (Texto de Valdeir Almeida)


Pétala
A Fórmula do Amor









Leia as letras das duas músicas citadas no texto, clicando nos links abaixo:

Djavan (Pétala)
Leoni (A fórmula do amor)




35 comentários

Max Martins 12 de maio de 2010 12:14  

Muito bom, Valdeir!

Que bom que está de volta. Estava sentindo falta das reflexões provocadas pelos seus textos.
O amor é assim mesmo. Muita gente tenta explicá-lo, mas é perda de tempo. O amor é feito para se sentir, por isso "invade e fim".

Um forte abraço!

brasildobem 12 de maio de 2010 12:49  

Não acho possível encontrar um outro amor se estamos envolvidos ainda emocionalmente com um amor antigo. Pra se receber um novo amor faz-se necessário limparmos a casa para recebermos um novo visitante e, às vezes, esta casa é muito grande ee xige mais tempo.
Grande abraço!
janeisa

Éverton Vidal Azevedo 12 de maio de 2010 13:20  

Puxa, perdi um ongo comentário que acabei de faezr aqui meu amigo. Uma pena.

Mas em resumo, nao há fórmulas, o que podemos fazer é colocar limites éticos, dos quais, o maior deles, Cristo ensinou: "O que quereis que os homens vos façam, isso fazeis" e vice e versa.

Um abraço!

Alma Inquieta 12 de maio de 2010 14:14  

Olá meu Amigo!

Quão difícil é definir o amor!
Às vezes é até difícil vive-lo...
Mas melhor que defini-lo é sentir esse amor e vive-lo...
Se fosse uma ciência... que coisa triste..., pois o que torna cada amor único e irrepetível é precisamente a espontaneidade que o envolve...
Queres um conselho?
Já sei..., conselho se fosse bom... não se dava... vendia-se..., mas, mesmo assim eu digo...:=)
Se tens um amor... vive-o como se não houvesse amanhã e deixa o coração tomar as rédeas...:=)
Sou louca...?
Talvez..., mas sou FELIZ!

Um beijo meu Amigo e boa quarta-feira.

HSLO 12 de maio de 2010 14:29  

Fascinante esse texto amigo. Falar do amor é algo que exige sensibilidade e você, expressou de forma singular a grandeza que é esse sentimento. Parabéns!

Abraços

Rute 12 de maio de 2010 17:26  

"Despedir-se de um amor é despedir-se de si mesmo.
É o arremate de uma história que terminou,
externamente, sem nossa concordância,
mas que precisa também sair de dentro da gente… "
E só então a gente poderá amar, de novo.Marta Medeiros)

Beijinhos a vc Valdeir!!!

Luma Rosa 12 de maio de 2010 17:51  

É possível amar alguém, quando ainda se está envolvido emocionalmente com outra pessoa?

Sim, não somos pessoas limitadas e existem várias formas de amor, além do amor romântico entre duas pessoas.

Parece que o texto se refere apenas a este tipo de amor e como o amor é espelho da alma de quem sente, o amor em si, não é provocado pelo objeto de amor e sim por nós mesmos! Criamos o amor e por assim dizer: amamos o amor e a maioria das pessoas confundem o amor com uma pessoa, daí a pessoa vira 'coisa' e caímos no lugar comum de querer quando não temos e sofrer quando temos.

Melhor amar o sentimento e saber expressá-lo, concretizando através do vínculo do sentimento de outra pessoa. Assim as pessoas não brigam e deixam o amor fluir livremente!

Compliquei? (rs*) Beijus,

Psiquismo Desmistificado 12 de maio de 2010 18:23  

Meu amigo Valdeir,
É um prazer tê-lo de volta. Desejo que suas questões estejam melhor resolvidas.
Gostei muito de seu texto.
Falar de amor é tão difícil, pois algo impalpável. Não há como explicar e descrever.
Músicas e poesias falam sobre o amor, tentanto decifrá-lo, e quem sabe um dia saberemos.
Diria o grande Camões:

"Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;

É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder;

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o mesmo Amor?"

Luís de Camões

Daniel Savio 12 de maio de 2010 19:48  

É melhor ter um motivo para amar do que entender o motivo para amar...

Fique com Deus, menino Valdeir Almdeida.
Um abraço.

Pelos caminhos da vida. 13 de maio de 2010 09:17  

É muito difícil descrevermos o amor só mesmo quem ama e é amado.

Bom dia!

beijooo.

Carlos Augusto Matos 13 de maio de 2010 09:43  

Aí o amor, o que é o amor?

Sabe Valdeir, pra mim, o amor é tão simples mas nós seres humanos somos tão complexos, que acabamos fazendo do amor, algo mais complexo que nós mesmos...

O amor é como Rosa e espinhos...
Sol e chuva
Céu e inferno...

Abração...

Elenáro 13 de maio de 2010 10:55  

O problema do amor é que não se consegue ver, demonstra-se e sente-se. O que se consegue ver são os resultados desse sentimento e não o sentimento em si.

Quando se amou e se perdeu o sentimento, ficamos vazios... por um tempo. Até outro amor chegar para preencher esse vazio. Neste sentido entendo que um amor pode passar por ocupar o espaço doutro mas nunca poderá curar a dor e o vazio na altura da perda do anterior. Quando muito poderá fazer esquecer mas o esquecimento nunca é cura para nada.

Um excelente post Valdeir. Uma excelente reflexão.

Mari Amorim 13 de maio de 2010 13:08  

Ola Valdeir!!
Adorei o texto e a musica
Desejo a você, que a vida seja um paraíso absoluto
que o amor seja um sol que aquece
e que em alegrias o caminho tece!
Boas energias,
Mari

13 de maio de 2010 16:54  

Definir amor???
Meio complicado, melhor apenas amar, amar e amar.
Saudades de ti meu amigo, que bom que voltou e espero que estejas bem.
Mas sabe de uma coisa amar é bom demais, apenas ame como a ti mesmo!
Beijos e beijos!

Weslley Almeida 13 de maio de 2010 21:19  

O Apóstolo Paulo, Camões, e tantos outros já tentaram definir isso que denominamos "Amor". Acredito que não é uma fórmula, nem é igual para todo mundo. Passa pela exériência ontológca de cada um, com suas idiossincrasias, peculiaridades da/na alma.
Entretanto - a experiência nos diz -, que ele (o amor)pode ser uma pétala ou um espinho; ou os dois, agarrados no mesmo talo.
Abraço, meu caro!

Vanna 13 de maio de 2010 22:19  

Acredito q amor q causa dor é o amor não correspondido. Se amamos e somos amados cabe não inventar motivos p/ sofrer. O sofrimento quase sempre vem pela insegurança, pelo medo d perder. Gosto da música q diz q qualquer maneira d amar vale a pena. (Oswaldo Montenegro)
Bjs

Daniel Moraes 13 de maio de 2010 22:34  

E geral, nós homens, quando terminamos um relacionamento já queremos engatar um outro, já as mulheres fecham "pra balanço". Acho que é aí a grande sacada da coisa, nós homens sofremos por tentar camuflar a dor enquanto as mulheres se reconstroi e se prepara para um novo relacionamento. Tem texto novo no Sub Mundos.

http://submundosemmim.blogspot.com

Wilson 14 de maio de 2010 01:56  

Olá, meu amigo...

Passando para te pedir desculpas pela demora de passar por aqui. Estive doente por uns dias e agora que estou de volta.

Lendo o seu texto eu acho que não se cura um amor com outro assim que termina um relacionamento. Acredito que, o coração necessita se recompor das feridas para depois começar a dar espaço para mais uma oportunidade de amar mais uma vez.

Te desejo um excelente dia cheio de muita paz e boas energias.

Fica com Deus e um forte abraço.

Ebrael 14 de maio de 2010 09:19  

Sem querer parecer falar de religião, mas citando um mandamento bíblico:

"Amais a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo!"

Ou seja, ninguém pode amar ao próximo se não o tem em si mesmo, de forma resplandecente e vigorosa, vital. Ninguém pode dar do que não possua nem pra si mesmo. E "amar a Deus" é amar, também, todas as coisas: amar a criatura e seu Criador; amar o Criador por causa das criaturas, e a todas as criaturas por amor do Criador delas.

Assim é encima como deve ser embaixo, um vai-vém de amor, amor a Tudo que é Vida, que representa dignidade, retidão e prosperidade emocional, espiritual e material (de forma saudável e natural).

Abçs!!

Ebrael.

Juninho Santos 14 de maio de 2010 11:43  

Oi Valdeir, Muito interessante seu texto.
Lembrei do trecho de uma música cantada pelo grupo Sorriso Maroto: "Amor é pra sentir, não pra entender". Acho que essa frase reflete bem o seu texto.

Muito bom! Abraços, e uma ótima semana!

Principe Encantado 14 de maio de 2010 14:00  

Só mesmo o criador para nos da a responta, ele simplesmente vem e nos enche de esperanças, felicidades e desejos, o amor é o amor.
Abraços forte

Rosana Madjarof 14 de maio de 2010 15:33  

Valdeir,

Um texto magnifíco meu amigo!

O amor não se explica, simplesmente, acontece.

Existem vários tipos de amor, mas somente um é capaz de superar todos os outros tipos de amor: o amor de mãe...

Esse sim, é incondicional, não precisa de fórmula, e é verdadeiro sempre.

Adorei!

Bjs.

Rosana.

Vanessa Alves 14 de maio de 2010 15:40  

Creio que o professor esteja apaixonado rs Brincadeira!
Acredito em sua última frase "melhor não descobrir o que o amor".

Acho que se tentarmos, ele perde a graça. Já amei e sei o que é isso. Beijos

Neto 14 de maio de 2010 15:46  

O Amor é luz. E tudo como é luz, é divino e mágico. Deve-se vivenciá-lo e nunca complicá-lo. Saúdo os poetas. Estes não querem adivinhar ou complicar o amor, apenas incentivá-lo. O que é bem mais sábio :-)

Abraços Valdeir!

ps. ultimamente, também ando muito ocupado.

Cecília Avenca 14 de maio de 2010 17:20  

Melhor que o amor é amar...
Bjos

Renato Orlandi 14 de maio de 2010 19:48  

Acho que para entendermos precisamos senti-lo, mas quando isso acontece ficamos tão embebidos desse sentimento que perdemos os sentidos... não sei, conversa de solteiro hehe.... Abraçooo!

Roniel A. 14 de maio de 2010 20:56  

Amigo Valdeir, parabéns pelo excelente texto. O amor é sublime sempre, e não há fórmulas mágicas para o amor. Amar é saber agradecer, amar é reconhecer que existe um Deus que também nos ama infinitamente, e somente se soubermos nos amar, é que poderemos amar um outro alguém, ou até mesmo um animal ou uma flor. Vamos amar, amar, amar. Abraços. Roniel.

Sandra 15 de maio de 2010 23:30  

PASSEI POR AQUI PARA DEIXAR O MEU CARINHO E AGRADECER A SUA VINDA.
ESTAREI SEMPRE TE ESPERANDO. MESMO QUE DEMORE. A VIDA É FEITA DE MOMENTOS MUITO ESPECIAIS. UM DELES É ESTE.
agradeço a todos o seu carinho e presença. já estou passeando pelos blogs logo cheegará a sua vez.
COMO É BOM TER VOCÊ SEMPRE BEM PERTINHO DE MIM. FICO MUITO FELIZ.
A CURIOSA SE SENTE MUITO ORGULHOSA EM CONTAR CONTIGO SEMPRE EM MEUS BLOGS..
DE CORAÇÃO AGRADEÇO O SEU CARINHO E PRESENÇA.
A AMIZADE É O SIMBOLO QUE NOS UNE NESTE UNIVERSO VIRTUAL.
MUITO OBRIGADA PELA SUA AMIZADE.
SOU MUITO FELIZ EM TER VOCÊ PERTINHO DE MIM..
SEJA SEMPRE BEM VINDO.
ADORO QUANDO VEM.
UM GRANDE ABRAÇO E UM FELIZ FINAL DE SEMANA.
ATÉ MAIS,
SANDRA

CONTO COM O SEU VOTO NA CURIOSA E NA INTERAÇÃO DE AMIGOS. TOPBLOG ESTOU NOVAMENTE PARTICIPANDO. OBRIGADA PELO VOTO E CARINHO.

Sissym 16 de maio de 2010 01:31  

Amigo, acredito que muitos já sofreram por amor, especialmente quando somos mais jovens e inexperientes. Eu sofri, claro, que bom, assim pude amadurecer e pensar nas atitudes que tomei, naquilo que não queria mais para mim, no que faltava para ser mais feliz. Nunca sentir dorrrr, eu senti-me ferida ao termino do meu casamento devido as circunstancias extremas vividas. Mesmo assim, tomei como aprendizagem.

Marise von 16 de maio de 2010 19:50  

Olá Valdeir,


O amor acontece...para ser vivido.
E ninguém pode vive-lo por nós.
Não sabemos a hora, o momento...
e acontece sempre num momento, em que não estamos esperando.
Ele é surpreendente...encantador, talvez pelo pelo fato deste elemento surpresa.
Não sabemos, quando, onde e nem com quem?
Existirá algo mais fascinante que o amor???

Abraços e uma excelente semana.
Marise.

Andreia 16 de maio de 2010 22:49  

Olá querido Valdeir!
O amor, ah! o amor.
Amo Djavan e ele tem uma forma toda sua de cantar e contar o amor.
O amor é o sentimento mais lindo e profundo que podemos ter, principalmente o amor ao próximo o irmão que não conheces mais precisa que estendas a mão e abra seu coração!
este sim é o amor sumblime, o amor que Jesus nos ensinou.
Beijo na alma querido amigo, e obrigada por suas doces e lindas visitas e palavras.
Gosto demais de ti...

HSLO 16 de maio de 2010 23:08  

Passando pra te desejar uma ótima noite de domingo...e já te desejar uma próxima semana de luz e paz.


abraços meu amigo.


Hugo

Jacson C. Lima 17 de maio de 2010 17:11  

Esse é um tema muito reflectivo que pode nos ajudar a entender mais profundamente aquilo que acredito que ainda é um mistério para nossa sociedade. Gostaria de seguir sua reflexões pois me identifiquei com esta postagem pois já tenho algo publicado em meu blog sobre isso, se achar importante,gostaria de convidar a conferir.
Em grande abraço,

Jacson

Anônimo 18 de maio de 2010 17:42  

Esta musica de Djavan é linda!


Carlos Benonil

Gleydson™ 20 de maio de 2010 18:06  

Lindo texto Valdeir
palavras sabias, musicas encantadoras...
Eu sei por experiencia de vida que o amor não existe para entendermos e sim para sentirmos. É algo que nos faz sentir vivos e apesar de ser vilão em alguns momentos, nos dá sentido a muitas duvidas e anseios que temos.

Abraços

Postar um comentário

Blogs Indispensáveis

Membros

Creative Commons License
O Blog Ponderantes está licenciado sob uma licença Creative Commons.

© Ponderantes 2008-2012 Todos os Direitos Reservados | Início |Créditos

Voltar ao TOPO