30 de dezembro de 2009

A chegada das férias


Depois da inevitável correria de final de ano, chegaram as férias.

Durante este período, estarei ausente da blogosfera. Só retornarei em fevereiro.

A todos os meus amigos e leitores, Feliz 2010 e até!!!


Valdeir
Continue Lendo

12 de dezembro de 2009

Paredes auditivas e livros abertos


Cuidado com as paredes. Elas têm audição aguçadíssima e língua muito afiada. Cometem o erro de escutar as verdades alheias, e de propagar tais verdades com novas versões.


Se você afirma ser um livro aberto e está diante de uma parede, lembre que há dois tipos de leitores de uma obra:

a) Os que entendem fielmente o que as palavras querem afirmar e
b) Os que interpretam e reinterpretam as palavras a seu bel-prazer.

Os leitores do segundo grupo são aqueles que não têm capacidade nenhuma para escrever a própria história; por isso, costumam plagiar grotescamente o autor por quem nutre alguma inveja.

Portanto, algumas vezes, diante de determinadas paredes, é melhor fechar o livro.

Imagem: Stock photo
Continue Lendo

29 de novembro de 2009

Batalha Sangrenta


Aproveitando a trégua do exército inimigo, o soldado ajoelhou-se. Fez uma oração para que não fosse mais derramado sangue na próxima batalha.

Após levantar-se, o soldado sentiu-se aliviado como se a oração lhe tivesse tirado um fardo. Mas uma mosca passou a lhe incomodar, voando ao redor dele e emitindo um incômodo zumbido.

Num ato rápido, o soldado matou a mosca com um bater de palma. O sangue do inseto morto manchou a mão daquele guerreiro.
Continue Lendo

27 de novembro de 2009

Ponderantes com domínio próprio


Após um ano e meio de blog, resolvi mudá-lo para domínio próprio. Ou seja, a partir de agora, o endereço do Ponderantes é www.ponderantes.com.br.

Por isso, peço aos parceiros que têm o Ponderantes linkado em seus blogs que coloquem o endereço atualizado. E àqueles, cuja parceria é através dos banners informo que minha caixinha de link-me já está com o novo endereço. Portanto, basta copiar o código abaixo da caixinha e inserir em seus blogs.

Quem me acompanha através do “Google Friend Connect” (Seguidores) e/ou do “Bloglist” não precisam fazer tais procedimentos.

Abraços a todos e um excelente final de semana.


P.S: Com a mudança, meu PageRank caiu, mas isso é algo normal numa mudança de domínio. O PageRank é recuperado depois.

Imagem: Stock photo
Continue Lendo

21 de novembro de 2009

Seu nome é Jade


Sou bom fisionomista, mas tenho imensa dificuldade para memorizar nomes. Caso eu converse com alguém apenas uma vez, seu rosto estará em minha memória por muitos anos. Mas não digo o mesmo em relação ao nome. É por isso que tenho o mau costume de chamar José de Adolfo, Maria de Bruna.


Na livraria onde compro meus livros, sempre fui atendido cordialmente. Apesar disso, não conseguia gravar o nome de uma das funcionárias. Certa vez, após meses em que ela pronunciava meu nome sem titubear e eu forçava a mente para tentar lembrar o dela, perguntei como ela se chamava.

– Jade! – ela respondeu.

Duas semanas depois, voltei lá para adquirir um novo livro. Jade, como sempre, me recebeu gentilmente:

– Boa tarde, Valdeir, como vai?

Eu respondi “tudo bem”, mas muito envergonhado, porque havia esquecido o nome dela. Diante do constrangimento, expliquei-lhe minha dificuldade “nomística”, e lhe pedi que dissesse novamente como se chamava. Ela respondeu, sorrindo:

– Jade!

Uma palavra dissílaba, constituída de duas vogais e duas consoantes. Simples assim! Eu poderia memorizar. Já se tornava uma questão de honra. Eu tinha que me esforçar:

– Eu já sei como fazer para não esquecer – eu disse – Você tem o mesmo nome de uma personagem que Giovanna Antonelli interpretou em “O Clone”. Pronto. A partir de agora, sempre vou lembrar. Pode estar certa disso.

Minha estratégia funcionou. Agora, todas as vezes em que vou à livraria, e vejo que serei atendido pela simpática Jade, inicio mentalmente o processo de checagem do seu nome: “O Clone”, Giovanna Antonelli, Jade. Pronto: o nome dela é Jade: “Oi, Jade, tudo bem?”



Em tempo: Já que eu falei em simpatia, não posso deixar de registrar a forma igualmente gentil como Lete – da mesma livraria – me atende. Interessante é que memorizei o nome dela desde o princípio. Mas há uma explicação para isso: conheço algumas pessoas chamadas Lete.



Imagem: Stock photo
Continue Lendo

10 de novembro de 2009

Professor e Aluno: transferência


Após a aula, o professor está saindo da sala, quando um aluno o chama:

− Professor, espere, eu não pedi sua bênção hoje.
− Deus te abençoe, Lucas... Você não se importa com seus colegas pegando no seu pé, quando me pede a bênção?

− Não ligo, não. Eu acho que eles queriam fazer o mesmo, mas ficam com vergonha. Eu sou corajoso.
− Convencido!!!
− O senhor é um cara muito legal.
− Obrigado, Lucas. Mas vocês são ótimos alunos. Fico satisfeito em dar aula nessa turma, que tem alunos tão dedicados, como você. Mas não vá se achando o tal só porque te elogiei...
− Oxe, professor, não relaxo com o senhor. Sua aula é a que eu mais gosto... Professor, amanhã é meu aniversário. Vou fazer catorze anos.
− Eu sei. Você está me lembrando disso há duas semanas. Vou te dar os parabéns amanhã. Senão perde a graça... Vai ter bolo?
− Minha mãe quer fazer uma festinha e convidar meus amigos.
− E seu pai?
− Meu pai o quê?
− Ele está animado para sua festa amanhã?
− Eu não tenho pai.
− Héin?!
− Ele morreu.
− Você fala “morreu” com tanta raiva! Nunca vi ninguém informar a morte de alguém querido do jeito que você falou... Lucas... Lucas, olha pra mim; seu pai morreu mesmo?
− Morreu não, mas é como se tivesse morrido. Ele mora em uma cidade aqui perto, mas só veio me ver uma vez, desde que eu nasci.
− Que coisa, Lucas...
− Eu queria ter um pai de verdade. Um pai assim, como o senhor.


Essa é uma história real. O nome “Lucas” é fictício para preservar a verdadeira identidade do aluno. (Texto de Valdeir Almeida)


Imagem: Stock photo

Continue Lendo

5 de novembro de 2009

O primeiro pedaço do bolo

Téo chegou em casa suado e cansado depois do cooper. Ao adentrar a sala, deparou-se com seus familiares e amigos cantando parabéns para ele. Era uma festinha surpresa para comemorar o aniversário do rapaz.

Após os cumprimentos, os convidados pediram ao aniversariante que partisse o bolo. E que desse o primeiro pedaço a alguém muito especial, como reza a tradição.

Téo cortou um generoso pedaço de bolo, colocou no prato e deu ao seu cachorro.

Imagem: Stock photo
Continue Lendo

2 de novembro de 2009

Eu no “Sakuxeio” e na “Turma do Amigão”

Recentemente fui convidado a estar em dois blogs para falar sobre o que eu quisesse.

O primeiro foi o Sakuxeio. Este blog, do amigo Jefferson Neto, trata predominantemente de política. Por isso, falei sobre o mandato de Odete Roitman no Congresso Nacional. O que essa mulher aprontou no plenário não está no gibi. Enfrentou todo mundo. E ela não tem papas na língua, fala o que vem na cabeça. Políticos colloridos entraram em pânico. Nem os bigodes afiados se salvaram. Duvidam? Então vão lá no Sakuxeio e confiram.

O outro blog foi o da Turma do Amigão, do também amigo Ayrton. É um espaço bem-humorado, que tem o sofá mais conhecido da blogosfera. Esse sofá, aliás, é comparado ao de Jô Soares e de Hebe Camargo. Mas, para mim, o sofá do Amigão é incomparável. Lá fiquei bem à vontade conversando com ele, enquanto tomávamos café. Até caricatura minha ele fez, e ficou perfeita.

Visitem os dois blogs e vejam como sou eu quando não estou em casa, ou melhor, quando não estou aqui, no Ponderantes.
Continue Lendo

30 de outubro de 2009

Amigo Secreto na Roça


O amigo secreto foi antecipado para o São João. A idealizadora dessa sandice foi Dolores. Mas ninguém ousava contrariá-la, pois seria vítima de suas ardilosas tramas.

À mesa, durante o jantar, os familiares conversavam e comiam. Dolores era a mais comilona; seu prato transbordava de tão cheio. João, porém, não conseguia engolir aquela hipocrisia servida no banquete:

– Vocês anteciparam o Amigo Secreto! – desabafou João – Não esperaram o Natal chegar para representar uma harmonia que nunca existiu. Vocês trocam confetes agora, mas ao cruzarem aquele portão, voltam a falar uns dos outros pelas costas.

Após o desabafo de João, Dolores esbravejou, com a boca entupida de comida e segurando o prato gordo:

– Colocando as mangas de fora, João? Será que sua revolta não é comigo? Admita: você não aceita que eu seja a pessoa mais inteligente da família.

Os familiares sentiram-se ofendidos com essa fala de Dolores e chamaram-na de mercenária. Após isso, houve um bate-boca generalizado. Assim, o amigo secreto junino transformou-se num tribunal onde todos eram juízes e réus.

Enquanto batiam boca, os familiares – um a um – iam jogando os presentes na fogueira sem ao menos serem entregues aos seus destinatários. Os presentes foram queimados juntamente com as velhas falsas verdades.

Enquanto isso, João estava fora de cena, assistindo àquele espetáculo de camarote. Mas como viu que a lavagem de roupa suja iria adentrar a madrugada, ele decidiu ir embora. Ao atravessar o portão, deu a um velho conhecido o presente que comprara. O amigo recebeu agradecido e falou:

– Você bebeu, meu amigo? Pra ter coragem de enfrentar Dolores só mesmo tomando muito quentão. Quando chegar em casa, tome uma ducha de água fria pra amenizar a ressaca.

– Meu amigo – declarou João –, eu não estou bêbado. E não preciso de banho neste momento; minha alma já está lavada. O que eu mais quero agora é dormir. Hoje, terei o melhor sono da minha vida.


Este é um texto fictício. Qualquer semelhança com nomes ou acontecimentos reais terá sido mera coincidência.


Imagem: Stock photo
Continue Lendo

26 de outubro de 2009

Vida no Parque


Texto de Filipe Almeida, 11 anos, meu sobrinho:

Sempre que vou ao parque, pergunto a mim mesmo o que estou fazendo ali. Sinto-me livre por estar em meio à natureza, aos animais, ao vento. Fico feliz com a alegria das pessoas naquele lugar. Eu acho lindo como os veterinários tratam os animais. Os bichinhos ficam tão quietos quando são examinados e tomam remédios.

A vida no parque é assim, muita alegria, conforto e paz. Quando estou triste e vou ao parque, às vezes converso com os animais para me distrair. Será que sou normal? Claro que sou!

O parque é um dos lugares que mais visito, é onde ando de bicicleta, vou passear no lago e tomo ar puro, porque lá não tem poluição nem carros circulando, só bicicletas. A vida tinha que ser assim, calma, alegre, e é por isso que eu vou sempre ao parque para descansar e esquecer um pouco os problemas que vejo na sociedade.

Imagem Stock photo:


Continue Lendo

20 de outubro de 2009

O trema não morreu


Minutos antes de o telejornal entrar no ar, o apresentador repassava o texto em voz alta, como se já estivesse à frente da câmera.

De repente, ele entrou em guerra com a palavra inexequível. Perguntou ao seu editor: “Como é a pronúncia: inexekível ou inexequível? Faltando apenas dois minutos para o telejornal entrar ao vivo, o editor não sabia responder.

Já diante da bancada e irritado, o apresentador recorreu ao diretor: “Faça um milagre aí da sua sala. Tenho pouquíssimo tempo para saber a pronúncia correta dessa palavra chata”.

O diretor ia pedir socorro à internet, mas só faltavam 30 segundos para o programa começar. Lembrou do dicionário na gaveta de sua mesa. Numa velocidade espantosa, consultou o livro, mas este já estava com a edição segundo as novas regras ortográficas. O u da palavra inexequível estava desnudo, não se sabia se era pronunciável.

Não havia mais tempo. O jornal entrara no ar. O apresentador, nervoso, deu a primeira manchete: “Veja hoje as principais notícias do dia: A respeito da diminuição dos próprios salários, os deputados afirmam que o projeto é inexekível, perdão, é inexequível... inexekível... Perdão, os deputados afirmam que o projeto não pode ser executado”.


O trema foi a grande vítima da (parcial) Reforma Ortográfica da Língua Portuguesa. Mataram-no como quem abate uma mosca. Mas nas noites assombrosas dos discursos de oratória, o trema ainda vai puxar a perna de muita gente.



Abaixo, atualização em 23 de outubro de 2009

Neste texto, não se afirma que o fim do trema instituiu uma nova pronúncia.

O que se tenta discutir nessa crônica, como já fiz em outros textos, é que com o fim deste sinal diacrítico, haverá muitas dúvidas quanto à pronúncia de palavras que não fazem parte do nosso cotidiano linguístico.


Continue Lendo

17 de outubro de 2009

Notícias da Coletiva


Quando lancei a proposta da blogagem coletiva “Professores do Brasil”, não imaginei que ela fosse fazer tanto sucesso.

A maioria dos participantes foi formada por professores. Eles, em seus posts, expressaram indignação com a desvalorização da classe, mas também demonstraram amor pela profissão e espírito de luta.

E os participantes que não são professores ofereceram sua contribuição de uma forma majestosa. Eles homenagearam os mestres que passaram pelas suas vidas. Reconheceram que os docentes, apesar do papel fundamental que exercem na sociedade, são desprestigiados. Esse reconhecimento dos que não são educadores me deixou bastante feliz.

Como foi grande o número de blogs envolvidos na coletiva, não foi possível ler e comentar em todos. Mas darei minha opinião no posts deles aos poucos.

Por fim, agradeço a todos os participantes por terem contribuído para que esta blogagem fosse um sucesso.

Valdeir Almeida


P.S: É uma pena que nem todos que se inscreveram publicaram seus posts.


Imagem: Stock photo

Continue Lendo

15 de outubro de 2009

O Professor é mesmo um sacerdote?


A cena já se tornou comum: o professor desabafa sobre seu baixo salário e o ambiente de trabalho hostil e iminentemente violento. Em vez de ouvir palavras de incentivo, o que ele escuta é: “São ossos do ofício. Ser professor é exercer um papel de sacerdote”.

Inicialmente, o termo sacerdote significava apenas “a pessoa que oferece cultos à divindade”. Entretanto, ao longo da história, foi ganhando outras acepções, como esta: “Alguém que exerce uma função com dedicação e abnegação”. E é justamente a palavra abnegação que é usada erroneamente para designar o professor.

O professor é mal remunerado, apesar de sua importância perante a sociedade e do alto investimento que faz na carreira. Além disso, sofre pressão de muitos pais, que não repassam ensinamentos familiares aos filhos. Tais pais pretendem que a escola seja uma agência de babás transmissora de conhecimento. Acrescente-se ainda que o educador está sujeito diuturnamente à violência física e verbal perpetrada por uma geração destituída de valores sociais e humanos.

Embora esses problemas sejam evidentes, grande parcela da sociedade os ignora (ou finge ignorá-los). Isso porque, para ela, o verdadeiro professor “pratica” a abnegação, neutralizando as próprias necessidades de sobrevivência física e emocional em nome da instituição chamada Educação.

Esse mito do professor-sacerdote, difundido pela sociedade, é utilizado maldosamente pelos governantes. Eles sabem que o eleitorado não crê na mudança da realidade docente. Por isso, acham inútil desenvolver meios para a solução da questão. A “lógica” político-partidária é simples e cruel: “Se a população não vê problema nenhum no dia a dia do professor, não há problema para ser resolvido. Se não há problema para ser resolvido, o foco deve estar nas questões reais e bastante visíveis pela sociedade. Desse modo, ganha-se a simpatia da massa votante (mesmo que a solução dos problemas fique apenas em promessas eleitoreiras)”.

Além da omissão apresentada acima, os governantes (e significativa parcela da população) atribuem injustamente ao educador toda a culpa pelo caos na Educação. Assim, o professor-sacerdote vai se tornando um abnegado bode expiatório levado ao sacrifício vivo, para absorver e purificar os erros de muitas famílias relapsas e do falido e corrompido sistema educacional.(Texto de Valdeir Almeida)


Este texto é minha contribuição para a blogagem coletiva “Professores do Brasil”. A coletiva foi proposta por mim, mediante o blog Ponderantes.

Feliz Dia do Professor!!!



Abaixo está a lista dos inscritos. Os links são inseridos na medida em que os blogs publicam seus posts sobre a coletiva.


1. Na casa da Vovó – Rô
2. Nosso-Cotidiano – Hugo
3. Blog do Luis Hipolito – Luis
4. Filosofar é Preciso – Marise
5. Moniquinhaquinquinha – Mônica
6. Blog do Catarino – Catarino
7. Sakuxeio – J. Neto
8. Muleque Doido – Rafael
9. Le-Tranças - Weslley
10. EAD – Joyce Sanchotene
11. Eletricteen – Lúcia
12. Pé de Cogumelo – Albert
13. Makacoloko - Makaco loko
14. Jogatina Virtual – Jogatina Virtual
15. Enquete Maluca – Enquete Maluca
16. Lista de MSN – Lista de MSN
17. Bate Papo X – Bate Papo X
18. Patinha Lol – Patinha
19. Professora Elaine – Elaine
20. Blog da Marli – Marli
21. Minha Literatura Agora – James
22. Cuidando do Corpo – Vânia
23. Vitta Saudável – Bronye
24. O Equador das Coisas - Germano
25. A Folha em Brando - Gleydson
26. Luz de Luma, yes party! - Luma
27.Cultura Solidária - Eurico
28. EduCAOS: A Batalha Final - Alexandre
29. Alma Inquieta - Alma Inquieta
30. Dica Borges - Dica
31. Educação a Distância - Joyce Sanchotene
32. Sarau para todos - Joyce Sanchotene
33. Coisas Minhas - Joyce Sanchotene
34. Aconchego de Ideias - Rosiane
35. Política sem Medo - Tereza da Cruz Thompson
36. Brasil - Liberdade e Democracia - Languardia
37. Atentos Já - Paulo
38. O Diário Filipense - Paulo
39. Devaneios do Cotidiano - Andreia
40. O Livro de Amynon - Diego
41. Compondo o Olhar - Ivany
42. Orgulho de Ser - Nade
43. Lápis de Memória - J. Bosco
44. Marta Bellini - Marta
45. Blog do Cachorro Louco - Cachorro Louco
46. NECTAN Reflexões - Jorge
47. Crescer dá trabalho - Jeanne
48. Freud Flintstones - Freud
49. Pouco de Tudo - Dan
50. Ao pé do ouvido - Cristina
51. Anseios da Vida - Adelia
52. Memórias de Aquariana - Camila
53. Os meus óculos do mundo - Teresa
54. Dalla Blog - Marcelo Dalla
55. Blog da Nathy Ma - Nathalia
56. Fazendo a diferença - Cris
57. Brasil do Bem - Janeisa
58. Re-Novidade - Éverton
59. Os Desinformantes - Ran
60. Fio de Ariadne - Vanessa
61. Reflexões e opiniões - Vanna
62. Professora Suzana - Suzana
63. Cristiane Marino - Cristiane
64. Rê Confessions - Renato
65. "Mulher é desdobrável. Eu sou." - Tati
66. Atividades de Eliana - Eliana
67. MARI AMORIM BRINCANDO COM A RIMA - Mari
68. Ideias em Arte-Educação - Argentino
69. Simplesmente Maria - Maria Luiza
70. Pérolas Esparsas - Vera
71. Coisas Banais - Ana Filipa
72. Alfabetização em Foco - Lenira, Deolinda, Claudiane, Vanda
73. Joyce Pianchao - Joyce Pianchao
74. Abrazar la Vida - Marcelo Moraes
75. Prof. Lenilda - Lenilda
76. Caixa do Júnior - Júnior Silva
77. Viraletras - Jô
78. Sutilmente - Mila
79. O PC e a Criança - Jenny
80. Conversas Cartomânticas - Emanuel
81. Releituras do Mundo - Elzenir
82. Pilares Consultoria Pedagógica - Renata Calasans
83. Amo a Educação Infantil - Renata Calasans
84. Cantinho da Tia Sil - Silvana
85. Cantinho Infantil Tia Lane - Eliane
86. Sobre mim? Talvez... - Sabrina
87. Cachorro Solitário - Diogo
88. Professora Joaninha - Professora Joaninha
89. Grupo de Sábado - Vanessa Crecci
90. Educar Já - Cybele
91. Diário da Educação - Tathiana
92. Anotações da Prô Rirela - Rirela
93. Ponte Educacional - Aloizia
94. Aulas 100 - Marcos
95. Métodos e Atividades do EJA - Ailce Costa
96. ARTS SI - Simone
97. Tecnologia e Educação - Wanessa Cardoso
98. Amo Alfabetizar - Carla
99. Fabiola e Cia - Fabiola
100. Creche Luíza de Marilac - Fabiola
101. Sonho Meu - Fabiola
102. Professoras Muito Maluquinhas - Fabiola
103. Cantinho da Educação Infantil - Fabiola
104. Cantinho do Bebê - Fabiola
105. Sucata da Educação - Fabiola
106. Caldeirão de Ideias - Robson
107. Bloguinho da Vânia - Vânia
108. Nada Contra o Verso - Adri
109. Officina de Ideias - Renata Santos
110. Arte em Educar - Graziele
111. Espaço Pedagógico - Flávia
112. Blog da Tia Aninha - Tia Aninha
113. Este Blog é Minha Rua - Márcio
114. Palavras e Antídotos - Andrea
115. Formando Gente - Sulapiesan
116. Ideias de Milene - Mylla
117. Paulistana de Carteirinha - Sulapiesan
118. Afeto, educação e sustentabilidade - Aline
119. Brincando e Aprendendo - Ana Paula
120. Alademim - Rosa Maria
121. Saiba História - Adinalzir
122. Falando de Saberes - Falando de Saberes
123. Escola Municipal Maria Cristina de Macedo Gomes - Susy Meire
124. Pingo de Gente - Lu Moraes
125. Blog do Christian Messias - Christian
126. Folhinha da Educação Infantil ISERJ - Silvana e Leila
127. DeCoração - Grazielle
128. A Turma do Amigão - Amigão
129. £0KYTRPB0X - CrazyAnge£
130. Palavras ao Vento - Maggie
131. Compartilhando as Letras - Sônia
132. Profª Érika Vecci - Érika
133. Blog Escola - Blogescolaonline
134. Serei Magrinha - Ana Cleide
135. Ser Professor um Exercício Diário - Fátima Lopes
136. Pesquisa de Química - Cristiana
137. SE LIGA, BRASIL!!! Aluno alienado, Brasil retardado - Renata
138. Alquimista.com - Paulo Donizete
139. Este meu jeito - Kyria
141. Cantinho da Leitura - Ismaelita
142. Recebi, Li e Gostei - Antonio Regly
143. Blog da Professora Raquel - Raquel
144. Blog do Pharis - Geraldo
145. Anjos Guerreiros - Carmen
146. S.O.S Física - Rodrigo
147. _Edu_cação Itanhaém - Eduardo
148. Bibliotequices e afins - Roseli
149. Sonhos & Melodias - Roseli
150. Orientando quem Orienta - Graça
151. Prô Plugada! - Silvia
152. Educação com Arte - Olímpia
153. Cantinho da Escola Zuleide - Olímpia
154. Aprendo_Cri@ando - Amara
155. Ensinar a Aprender - Vandinha
156. Caligrafia Divina - Iara
157. Educa Criança - Déia
158. Linguagens e Afins - krika
159. Minha Caminhada - Maria do Carmo
160. Visão Panorâmica - Arthurius
161. Pedablogão - Tiago
162. Sabidinhos da Ioio - Ioio
163. Dores e Delícias de ser Professor - Viviane
164. Espanolpuntocom - Lélia
165. Blog Coletivo Amigos - Sandra
166. Agentes da Educação e Cultura - Eduardo
167. Aulas de Educação e Movimento - Bruno
168. Ufa! Bloguei! - Suely
169. ...Lírico... - Vagener
170. Blogosfera M@rli - Marli
171. Cantinho da Professora Helena - Helena
172. Compartilhando - Paulo Sávio
173. Infinito da Cris - Cristiane Augusto
174. Colcha de Retalhos - Kátia
175. Um drible nas certezas - André Egg
176. Arte e Educação - Fabiola
177. Tudo para todos sobre nada - KreK
178. Ti-Rinhas - Robmaia
179. Educando e Educador - Sulapiesan
180. Voz Ativa - Lúcia Girão
Continue Lendo

9 de outubro de 2009

A Lição dos Galhos Tortos


“Pau que nasce torto morre torto” é um dos ditados menos aplicáveis ao comportamento humano.

A exposição às situações adversas pode levar pessoas de índole má a praticarem o bem. Creio que essa seja a regra. Entretanto, há indivíduos que sempre ficam no campo das exceções, ainda que a vida lhes dê oportunidade para mudar.

Pessoas assim são inquestionavelmente como tortos galhos de árvores. Nunca se endireitarão e permanecerão estáticos, plantados no mesmo lugar.
Continue Lendo

8 de outubro de 2009

Falta uma semana


Daqui a exatamente uma semana, muita coisa se falará a respeito dos mestres. Será o Dia da Blogagem Coletiva “Professores do Brasil”.

Qualquer pessoa pode participar. Se você deseja aderir a este evento, basta clicar aqui e se inscrever. Se você não pretende aderir, pode vir aqui no dia e conhecer o que a blogosfera falará sobre os Professores.

Então, lembrando, daqui a uma semana, 15 de outubro, quinta-feira, Dia dos Professores e da Blogagem Coletiva “Professores do Brasil”.
Continue Lendo

4 de outubro de 2009

Havaianização e Não-Ferrarização


Estão havaianizando a classe alta. Mas a classe alta havaianizada não ferrariza as outras classes.

Isso não é nenhuma surpresa. Afinal, pé de gente comum não dirige carro de bacana, e pé de rico não pisa em mercado popular, embora lá se encontrem lindas sandálias.

Imagem: Stock photo

Continue Lendo

28 de setembro de 2009

Os olhos do elefante


Raramente escuto alguém mencionar o poema “O Elefante”, de Carlos Drummond de Andrade.

Creio que este seja um dos trabalhos mais brilhantes desse poeta. Trata-se de um elefante que é confeccionado exclusivamente para ir à busca de amigos.

Os olhos configuram o sopro de vida no animalzinho. Agora, vivo e com visão, ele está pronto para sua jornada:

“E há, por fim, os olhos,
onde se deposita
a parte do elefante
mais fluida e permanente,
alheia a toda fraude”.

Os versos posteriores descrevem a saga propriamente dita. O elefante caminha com os olhos sempre atentos, procurando amigos. Esse “olhar” posto para fora representa a ânsia do narrador por ver o mundo sob um novo ponto de vista. Ao fazer isso, ele reconhece o outro e com este tem maior possibilidade de estabelecer laços de amizade.

Recomendo.


A poesia O Elefante compõe a obra “A rosa do povo”. Uma publicação da editora Record.


Imagem: Stock photo
Continue Lendo

22 de setembro de 2009

Professores do Brasil – Blogagem Coletiva – Participe


O Ponderantes está promovendo a blogagem coletiva Professores do Brasil. O evento ocorrerá na mesma data em que se comemora o dia desses profissionais que, embora sejam imprescindíveis à sociedade, estão cada vez menos valorizados.


Se você quiser participar, deverá publicar em seu blog um post relacionado ao tema proposto – Professores do Brasil – no próximo dia 15 de outubro de 2009. Seu post pode conter, por exemplo, um texto crítico, um protesto, uma homenagem através de poesia, um relato sobre um professor que marcou sua vida, uma imagem, um vídeo ou o que sua criatividade desejar.

Procedimentos para participar:

1) Deixe seu nome e endereço do seu blog na caixa de comentários no final da página que você está lendo agora,
2) Insira em seu blog o selo da coletiva,
3) Escreva um post em seu blog divulgando o evento com o link da blogagem coletiva,
4) No dia 15 de outubro, você irá publicar em seu blog o post que você produziu sobre “Professores do Brasil”.


OBS: Blogueiros de outros países também podem participar.

Se tiver alguma dúvida, basta me perguntar.
Obrigado e espero que todos participem.


O selo abaixo é o que você irá inserir em seu blog. Basta copiar o código e colar no seu layout




Até o momento, já confirmaram participação na blogagem coletiva os seguintes blogs:

1. Na casa da Vovó – Rô
2. Nosso-Cotidiano – Hugo
3. Blog do Luis Hipolito – Luis
4. Filosofar é Preciso – Marise
5. Moniquinhaquinquinha – Mônica
6. Blog do Catarino – Catarino
7. Sakuxeio – J. Neto
8. Muleque Doido – Rafael
9. Le-Tranças - Weslley
10. EAD – Joyce Sanchotene
11. Eletricteen – Lúcia
12. Pé de Cogumelo – Albert
13. Makacoloko - Makaco loko
14. Jogatina Virtual – Jogatina Virtual
15. Enquete Maluca – Enquete Maluca
16. Lista de MSN – Lista de MSN
17. Bate Papo X – Bate Papo X
18. Patinha Lol – Patinha
19. Professora Elaine – Elaine
20. Blog da Marli – Marli
21. Minha Literatura Agora – James
22. Cuidando do Corpo – Vânia
23. Vitta Saudável – Bronye
24. O Equador das Coisas - Germano
25. A Folha em Brando - Gleydson
26. Luz de Luma, yes party! - Luma
27. Eu-Lírico - Eurico
28. EduCAOS: A Batalha Final - Alexandre
29. Alma Inquieta - Alma Inquieta
30. Dica Borges - Dica
31. Educação a Distância - Joyce Sanchotene
32. Sarau para todos - Joyce Sanchotene
33. Coisas Minhas - Joyce Sanchotene
34. Aconchego de Ideias - Rosiane
35. Política sem Medo - Política sem Medo
36. Brasil - Liberdade e Democracia - Languardia
37. Atentos Já - Paulo
38. O Diário Filipense - Paulo
39. Devaneios do Cotidiano - Andreia
40. O Livro de Amynon - Diego
41. Compondo o Olhar - Ivany
42. Orgulho de Ser - Nade
43. Lápis de Memória - J. Bosco
44. Marta Bellini - Marta
45. Blog do Cachorro Louco - Cachorro Louco
46. NECTAN Reflexões - Jorge
47. Crescer dá trabalho - Jeanne
48. Freud Flintstones - Freud
49. Pouco de Tudo - Dan
50. Ao pé do ouvido - Cristina
51. Anseios de Vida - Adelia
52. Memórias de Aquariana - Camila
53. Os meus óculos do mundo - Teresa
54. Dalla Blog - Marcelo Dalla
55. Blog da Nathy Ma - Nathalia
56. Fazendo a diferença - Cris
57. Brasil do Bem - Janeisa
58. Re-Novidade - Éverton
59. Os Desinformantes - Ran
60. Fio de Ariadne - Vanessa
61. Reflexões e opiniões - Vanna
62. Professora Suzana - Suzana
63. Cristiane Marino - Cristiane
64. Re Confessions - Renato
65. "Mulher é desdobrável. Eu sou." - Tati
66. Atividades de Eliana - Eliana
67. MARI AMORIM BRINCANDO COM A RIMA - Mari
68. Ideias em Arte-Educação - Argentino
69. Simplesmente Maria - Maria Luiza
70. Pérolas Esparsas - Vera
71. Coisas Banais - Ana Filipa
72. Alfabetização em Foco - Lenira, Deolinda, Claudiane, Vanda
73. Joyce Pianchao - Joyce Pianchao
74. Abrazar la Vida - Marcelo Moraes
75. Prof. Lenilda - Lenilda
76. Caixa do Júnior - Júnior Silva
77. Viraletras - Jô
78. Sutilmente - Mila
79. O PC e a Criança - Jenny
80. Conversas Cartomânticas - Emanuel
81. Releituras do Mundo - Elzenir
82. Pilares Consultoria Pedagógica - Renata Calasans
83. Amo a Educação Infantil - Renata Calasans
84. Cantinho da Tia Sil - Silvana
85. Cantinho Infantil Tia Lane - Eliane
86. Sobre mim? Talvez... - Sabrina
87. Cachorro Solitário - Diogo
88. Professora Joaninha - Professora Joaninha
89. Grupo de Sábado - Vanessa Crecci
90. Educar Já - Cybele
91. Diário da Educação - Tathiana
92. Anotações da Prô Rirela - Rirela
93. Ponte Educacional - Aloizia
94. Aulas 100 - Marcos
95. Métodos e Atividades do EJA - Ailce Costa
96. ARTS SI - Simone
97. Tecnologia e Educação - Wanessa Cardoso
98. Amo Alfabetizar - Carla
99. Fabiola e Cia - Fabiola
100. Creche Luíza de Marilac - Fabiola
101. Sonho Meu - Fabiola
102. Professoras Muito Maluquinhas - Fabiola
103. Cantinho da Educação Infantil - Fabiola
104. Cantinho do Bebê - Fabiola
Arte e Educação - Fabiola
105. Sucata da Educação - Fabiola
106. Caldeirão de Ideias - Robson
107. Bloguinho da Vânia - Vânia
108. Nada Contra o Verso - Adri
109. Officina de Ideias - Renata Santos
110. Arte em Educar - Graziele
111. Espaço Pedagógico - Flávia
112. Blog da Tia Aninha - Tia Aninha
113. Este Blog é Minha Rua - Márcio
114. Palavras e Antídotos - Andrea
Educando e Educador - Sulapiesan
115. Formando Gente - Sulapiesan
116. Ideias de Milene - Mylla
117. Paulistana de Carteirinha - Sulapiesan
118. Afeto, educação e sustentabilidade - Aline
119. Brincando e Aprendendo - Ana Paula
120. Alademim - Rosa Maria
121. Saiba História - Adinalzir
122. Falando de Saberes - Falando de Saberes
123. Escola Municipal Maria Cristina de Macedo Gomes - Susy Meire
124. Pingo de Gente - Lu Moraes
125. Blog do Christian Messias - Christian
126. Folhinha da Educação Infantil ISERJ - Silvana e Leila
127. DeCoração - Grazielle
128. A Turma do Amigão - Amigão
129. Lokytrp - CrazyAnge£
130. Palavras ao Vento - Maggie
131. Compartilhando as Letras - Sônia
132. Profª Érika Vecci - Érika
133. Blog Escola - Blogescolaonline
134. Serei Magrinha - Ana Cleide
135. Ser Professor um Exercício Diário - Fátima Lopes
136. Pesquisa de Química - Cristiana
137. SE LIGA, BRASIL!!! Aluno alienado, Brasil retardado - Renata
138. Alquimista.com - Paulo Donizete
139. Este meu jeito - Kyria
141. Cantinho da Leitura - Ismaelita
142. Recebi, Li e Gostei - Antonio Regly
143. Blog da Professora Raquel - Raquel
144. Blog do Pharis - Geraldo
145. Anjos Guerreiro - Carmen
146. S.O.S Física - Rodrigo
147. _Edu_cação Itanhaém - Eduardo
148. Bibliotequices e afins - Roseli
149. Sonhos & Melodias - Roseli
150. Orientando quem Orienta - Graça
151. Prô Plugada! - Silvia
152. Educação com Arte - Olímpia
153. Cantinho da Escola Zuleide - Olímpia
154. Aprendo_Cri@ando - Amara
155. Ensinar a Aprender - Vandinha
156. Caligrafia Divina - Iara
157. Educa Criança - Déia
158. Linguagens e Afins - krika
159. Minha Caminhada - Maria do Carmo
160. Visão Panorâmica - Arthurius
161. Pedablogão - Tiago
162. Sabidinhos da Ioio - Ioio
163. Dores e Delícias de ser Professor - Viviane
164. Espanolpuntocom - Lélia
Continue Lendo

17 de setembro de 2009

Diálogo entre eu e mim


Surpreenderam-me conversando comigo mesmo. Por isso, fui taxado de louco. Ora, não há diferença entre falar sozinho e escrever sozinho em questões da alma.

Quando falo de mim para mim, estou travando um discurso e, muitas vezes, uma discussão. Ponho a nu todas as verdades. É o momento em que confronto com meus botões.

Alguém metido a psicólogo poderia dizer: Isso é a manifestação de uma dupla personalidade. Eu responderia: Não são duas personalidades, mas sim duas características, pois o ser humano tem os lados bom e ruim que se combatem o tempo inteiro.

Isso é diferente das pessoas falsas cujo comportamento se assemelha à cobra de duas cabeças: possuem duas mentes e ambas são venenosas.


Imagem: Stock photo

Continue Lendo

15 de setembro de 2009

Adversativas: a ponte entre a alegria e a dor


As conjunções adversativas são a pedra no meio do caminho, o estraga-prazer de uma frase.


Elas sempre aparecem para mostrar que entre as orações de um mesmo período pode haver intenso conflito: geralmente, a primeira é constituída de uma ideia agradável. Já a segunda, vem para jogar um balde de água fria ou matar definitivamente o período.

Eis aí a função das adversativas: elas fazem a ponte entre a alegria e a dor. Aqui está um exemplo: “Estou gostando de escrever este texto, MAS terei que parar”.


P.S. Esse é apenas um lado da moeda. A conjunção adversativa pode ser também um indicador de bons ventos. Exemplo: “A saudade machuca, PORÉM, a felicidade logo voltará”. (Texto de Valdeir Almeida)


Continue Lendo

9 de setembro de 2009

A lição da água e da pedra


“Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”

Quando a água e a rocha dividem o mesmo espaço, parece haver uma briga constante. A rocha até que é boazinha, tem lá suas qualidades. Entretanto, é metida a durona e quer parecer irredutível em suas decisões.

Já a água é a parte sensível da relação. Mas só mesmo na aparência. Força bruta não tem, porém possui uma persistência inigualável. E é justamente isso que a faz forte. Insiste até alcançar seu objetivo, que é moldar a rocha da forma mais conveniente, mesmo que tal feito levem milhões de anos.

Os verdadeiros vencedores possuem a mesma característica da água. Não reclamam da própria sorte, nem se comparam negativamente com quem é visivelmente forte. Os vitoriosos têm na aparente fraqueza aquilo que os leva ao sucesso. (Texto de Valdeir Almeida)

Imagem: Stockvault
Continue Lendo

4 de setembro de 2009

Fernando Pessoa na voz de Maria Bethânia, “Cartas de Amor”

Invista 50 segundos do seu tempo escutando Maria Bethânia declamar o poema “Cartas de Amor”, de Fernando Pessoa. Depois, você verá que seu pequeno investimento valeu muito à pena:





Através do poema “Carta de Amor”, Fernando Pessoa diz algo real: mesmo quem nunca mandou uma carta (ou e-mail) de amor, é ridículo. É bom ser ridículo e se espojar nas coisas do amor e nas outras que nos fazem felizes sem prejudicar terceiros.

Muitas pessoas deixam a felicidade passar por medo de se tornarem ridículas. Mas esse é o segredo da vida: ser ridículo.

(Impressionante como a poesia ganha mais vida na voz de Bethânia. Ela é não apenas uma grande intérprete musical, mas também uma excelente declamadora).
Continue Lendo

1 de setembro de 2009

O Prato de Dolores


Apesar de educada, Dolores enche o prato até a borda sempre que vai a um restaurante. Mas ela só faz isso quando está entre amigos ou familiares.

E a alma dessa distinta senhora é tão pesada como costuma ser seu prato. Isso mesmo, sua alma é demasiadamente carregada a ponto de transbordar e encher de mal-estar todo o ambiente. Por esse motivo, a presença de Dolores é dolorosa.

Mas Dolores não dá importância para isso. Seu único foco é fazer do prato dela o mais cheio possível, assim como ela faz com sua vida cotidiana: enche-se de atividades “calóricas”, mas desprovidas de “proteínas”, só para transmitir a falsa impressão de ser melhor que os outros. Ela, porém, esquece que alimentos ingeridos com muita gordura e nenhum nutriente causam um reboliço no intestino e saem dolorosamente.
Continue Lendo

29 de agosto de 2009

Amizade Versalizada


Poema do Amigo

Amigos...
Histórias, vivências
Choro, risada
Sóis, invernos
É a dialética dessa estrada.

Quem não anda por ela não anda
Busca o ser no não-ser.


O texto acima é do poeta-escritor Weslley Moreira de Almeida. Através dessas palavras, ele expressa o valor primaz de um amigo.

A amizade é fundamental para a saúde emocional de qualquer pessoa. Isso porque somos seres, cuja estrutura psíquica exige companhia de outros iguais a nós para estabelecermos identificação.

Creio que é justamente a identificação que Weslley quis abordar ao dizer:

“Quem não anda por ela [estrada de amigos] não anda
Busca o ser no não-ser”.

Ou seja, apenas no outro – que é semelhante a nós – nos reconhecemos. É como se precisássemos dessas pessoas para lembrarmos quem somos. O outro se torna, pois, um espelho necessário para o infinito processo de construção de nossa identidade.

Desse modo, quando não temos esse amigo que se apresenta como um afetuoso espelho, não conseguimos nos reconhecer; não somos quem realmente somos. Tornamo-nos um “não-ser”. E passamos a caminhar numa estrada solitária onde a única estação é o inverno e o choro é nosso único consolo.


P.S. Weslley Moreira de Almeida é autor do livro “Pétalas, Talos e Espinhos”, de onde foi extraído o “Poema de Amigo”.


Imagem: Free Desktop Wallpaper
Continue Lendo

26 de agosto de 2009

Diálogo entre Diretora de escola e Mãe de aluno


A diretora de uma escola telefona para o celular da mãe de um aluno:

Diretora de Escola– Esta já é a quinta vez que lhe convido para uma conversa sobre seu filho. E a senhora nunca veio ao colégio. Nem sequer em reunião de pais e mestres a senhora comparece.

Mãe de Aluno – Diretora, eu trabalho o dia inteiro; não posso me dar ao luxo de sair do meu serviço para conversar sobre meu filho. Eu vejo ele todos os dias em casa.

Diretora – Vê ele todos os dias, mas provavelmente quando ele está dormindo, né?

Mãe – Por um acaso a senhora está querendo ensinar a educar meu filho?

Diretora – De forma alguma. Na escola não existe a disciplina Educação Familiar. Isso é responsabilidade sua.

Mãe – A senhora está irritada só porque eu não costumo ir aí? Tenha calma.

Diretora – Eu não estou nervosa. O que sinto é indignação com sua displicência em relação a seu filho.

Mãe – Displicente, eu? Se algo está acontecendo com meu filho nas dependências da escola, a responsabilidade é da própria escola e não minha.

Diretora – Minha senhora, perdoe-me pela sinceridade, mas eu e os professores não somos babás, muito menos de adolescentes. Além disso, todo o corpo docente da escola, assim como nossa coordenação e nosso psicólogo fizeram todo o possível para ajudar seu filho. Portanto, a senhora também tem que tentar ajudá-lo. Agora chegou a sua vez de agir.

Mãe – Diretora, neste momento estou trabalhando. Eu já disse que não posso ir aí agora.

Diretora – Mas a senhora está com tempo para ir ao abrigo para menores infratores?

Mãe – Como?

Diretora – Seu filho foi preso do outro lado da cidade vendendo drogas. O delegado insistiu para que ele desse o número do celular da senhora, mas ele não deu, alegando que a senhora não tem tempo para nada e, portanto, não iria tentar resolver o problema dele. Como seu filho estava com o uniforme da escola, o delegado veio aqui para pedir que eu ligasse para a senhora e comunicasse a questão.

Mãe – (...)

Diretora – Senhora?... Está tudo bem aí?

Mãe – (...)

Diretora – Senhora? Senhora?
(Texto de Valdeir Almeida)

Continue Lendo

22 de agosto de 2009

Livros nem a preço de banana


O espaço dedicado aos livros num grande supermercado de Feira de Santana está cada vez mais reduzido. Enquanto isso, a seção de CDs (de qualidade questionável) vem ganhando destaque.

Ontem, a situação estava extremamente crítica. O número de livros nas prateleiras minguou-se mais ainda. À exceção de quem trabalha no supermercado, não se sabe onde os livros foram parar. Mas muitos deles estavam visivelmente espalhados sobre uma banca de madeira, com um cartaz ao lado: Livros em LIQUIDAÇÃO.

A banca de livros em “ponta de estoque” estava exprimida entre a seção de CDs caríssimos (e, ressalte-se, pobre em qualidade) e as mesas das lanchonetes americanizadas. Os CDs vendiam-se a rodo. E as mesas das lanchonetes estavam todas ocupadas pelos consumidores. Ao mesmo tempo, a banca de livros em liquidação permanecia abandonada. Vez ou outra aparecia alguém, mas por engano; possivelmente atraído pela palavra LIQUIDAÇÃO estampada em letras garrafais (o restante da frase estava grafada num tamanho comum). Quando percebia que a oferta era de livros, a pessoa continuava seu percurso, empurrando o carrinho.

A situação relatada acima é apenas uma amostra do agravamento da (eterna) crise cultural brasileira. Em termos de leitura, essa crise fica ainda mais acentuada. Há décadas, reclama-se do alto valor dos livros. Mas a realidade é que o preço de muitos deles é metade do valor dos CDs (CDs, aliás, que vendem como água). Portanto, a falta do hábito da leitura em nosso país não pode ter como única justificativa o preço dos livros.


P.S: Entre as obras jogadas na fogueira da liquidação estavam as de autores renomados, tanto clássicos como contemporâneos.

Imagem: Stock photo
Continue Lendo

2 de agosto de 2009

Olhar de Peixe Vivo


Um pequeno peixe chegou à lagoa. O que ele não tinha em tamanho, sobrava em simpatia. Foi por isso que conquistou a amizade de todos os moradores.

Mas havia um peixe muito grande – meio escondido atrás de uma pedra – que não queria saber da festa. Permaneceu quase o tempo todo imóvel e olhando de banda.

O peixinho perguntou aos novos amigos qual a razão daquele grandão não se misturar com a turma. Todos se calaram e fizeram cara feia.

Entretanto, o novo morador, que não deixava nenhuma amizade passar, foi lá conhecer o peixão. Mas este imediatamente recuou e abaixou a cabeça.

Mesmo assim, o peixinho se aproximou, apresentou-se e disse que os dois poderiam ser grandes amigos. O grandão deu um leve sorriso, mas ainda continuava arredio. Só saiu definitivamente detrás da pedra, depois que o pequeno peixe lhe fez muitas palhaçadas.

Naquele momento, o novo morador percebeu o motivo do acanhamento do peixe carrancudo: ele tinha apenas um olho:

– Você vai fazer como os outros, né? – indagou o peixão – É sempre assim, quando descobrem que sou desse jeito, todos se afastam de mim.

– Para mim não muda nada, meu amigo – respondeu o peixinho. Os vizinhos que lhe ignoram têm os olhos saudáveis, mas veem problema em tudo. As vistas deles são embaçadas pelo preconceito e pela falta de amor. E você tem apenas um olho, mas um coração muito grande e uma alma generosa. Eles não sabem o que estão perdendo sem sua companhia.

Pela primeira vez, aquele peixão chorou. As lágrimas de emoção se misturaram com as águas da lagoa. Águas que testemunharam o surgimento de uma amizade sem barreiras.


Produzi este conto em homenagem a meu sobrinho Filipe: desbravador de corações, conquistador de novas amizades.

Imagem: Stock photo
Continue Lendo

1 de agosto de 2009

Selos para blogs que despertam meu sorriso ou meus sentidos

Selo “Este Blog me Faz Sorrir”



Recebi de Marise, do blog Filosofar é Preciso.



Procedimentos:
Listar 7 coisas que gosta e depois indicar 7 blogs para levar o selo.


Umas das 7 coisas de que mais gosto são: ler, escrever, blogar, assistir a um bom programa de TV.


Blogs que me fazem sorrir:

Muleque Doido
Abrazar La Vida
My Inner Universe
Crônicas de uma menina feliz
Caixa do Júnior
Viraletras
Sakuxeio



Selo “Este blog mexe com meus sentidos”



Recebi de Éverton, do blog Re-Novidade

Procedimentos:
1) Indicar os 10 blogs que mexem com os seus sentidos;
2) Dizer 5 coisas que mexem com seus sentidos nesse momento;
3) Linkar quem te deu o selo e exibir no blog.

Cinco coisas que mexem com meus sentidos neste momento:
1) A música de péssimo gosto que meu vizinho está ouvindo
2) O cheiro de dia novo
3) O vento frio (o sol está escondido entre nuvens).
4) ?
5) ?

Blogs que mexem com meus sentidos:
O Bem Viver
Filosofar é Preciso
EELLEENN
Le-Tranças
Um Blog que Pensa
Minha Literatura Agora
Detesto Estudar
Alice no País do Pensamento
Verdades Forjadas
Valdemir Reis
Continue Lendo

20 de julho de 2009

Dia da Amizade em poucas palavras


Há exatamente uma semana, produzi uma crônica para postar hoje, no Dia Internacional da Amizade. O texto chegou a passar várias vezes pelo crivo de minhas revisões.

Entretanto, embora a crônica versasse sobre amizade, não parecia ter relação com a data que comemoramos hoje: eram muitas e desnecessárias palavras para falar de algo tão simples e singelo (e, por isso mesmo, quase complexo).

Portanto, as únicas palavras que quero tecer hoje são: FELIZ DIA DA AMIZADE a todos, em especial aos meus amigos (pessoais e virtuais).

Abraços.


Imagem: Stock photo
Continue Lendo

17 de julho de 2009

Gripe H1N1: os números olímpicos da pandemia


Atualmente, a pauta predominante nos telejornais é a gripe H1N1. Neles, os números de contaminados são atualizados minuto a minuto.

Imagine alguém, vindo de outro planeta, chegando aqui neste momento. Ao assistir a números tão faraônicos e velozes (envolvendo todos os países) acreditaria que a Terra estivesse no período olímpico.

As comparações são inevitáveis. Os Estados Unidos, que em Olimpíadas quase sempre estiveram no topo da lista de medalhas de ouro, agora também encabeçam a classificação da gripe H1N1. A grande surpresa é a Argentina (rival histórica do Brasil) que está em segundo lugar. Nosso País (como sempre – e agora eu digo, graças a Deus) não está entre os primeiros lugares.

Ao contrário das Olimpíadas, o empenho em relação à pandemia é que o número de infectados decresça. Para tanto, empreendem-se todo o esforço possível. O Brasil, renomado por desenvolver pesquisas que redundam na produção de medicamentos de reconhecimento internacional, também luta para não subir ao pódio.

No entanto, são necessários investimentos a curto prazo não apenas em pesquisas científicas, mas também em infra-estrutura da saúde pública. A epidemia de dengue é um exemplo de que economizar em investimentos adoece a população e os cofres do governo (leia-se nosso bolso), que tem que gastar muito mais em recuperar do que em prevenir doenças.

E quando será o encerramento desta Olimpíada, digo, pandemia? Esperemos que seja em grande estilo: ao contrário de estádios lotados, apresentando atletas (= doentes) empunhando bandeiras, cuidemos para que chegue logo o dia em que nos hospitais não haja mais nenhum contaminado com a gripe H1N1. E o injustiçado mascote da pandemia, o porco, ficará feliz.


Atualização em 19/01/2010:

Desde abril do ano passado (2009) até ontem (18/01/2010) foram registradas quase 14 mil mortes em mais de 200 países, em decorrência da Gripe H1N1. Mas, conforme o Portal G1, somente depois que a pandemia terminar (daqui a dois anos aproximadamente) é que será possível estabelecer o número exato.



Imagem: Stockxpert
Continue Lendo

16 de julho de 2009

Um Tributo aos Cães

Eu disse para meu interlocutor ao telefone: “Pois é! Jamais imaginei que aquele nosso colega fosse fazer algo tão vil contra mim. Ele é um cachorro”.

Naquele momento, meu dog alemão levantou as orelhas bruscamente e inclinou a cabeça para mim. Tive a impressão de que ele entendeu o que eu acabara de falar. Diante daquela cena, fui acometido por um intenso remorso. Mal me despedindo do meu amigo, desliguei o telefone e passei a refletir sobre aquela situação.

Os cães não costumam agir falsamente. Quando não gostam de alguém, respondem imediatamente com rosnadas, rangidos de dentes, mordidas. Se sentem afeição, fazem o que for possível para manifestar esse sentimento, mesmo que o destinatário do carinho tenha sua roupa manchada com as patas do animal.

O ser humano, por sua vez, carrega na própria essência a característica da traição. Em razão da sua capacidade de pensar, ele pode orquestrar planos funestos contra seu semelhante.

É justamente por isso que somos um dos assuntos mais discutidos nas conversas entre cachorros. Certamente costumam desenvolver explanações sobre nosso comportamento complexo. Não é por outro motivo que quando um cachorro foge à regra da própria espécie, aparece outro para alertá-lo: “Você está parecendo gente, meu amigo. Cuidado! Não traga esse vírus pra cá”.

Aprendi a lição. Não chamarei mais os calhordas de cachorro. E o meu dog alemão, enquanto suja minha calça com suas carinhosas patas, agradece.
Continue Lendo

13 de julho de 2009

Procura-se um texto


Tenho o título, mas não tenho o texto. Você tem? E você? Ei, você que está passando, me dá um texto? Ninguém tem um texto? Pode ser qualquer um; o que não quero é que meu título recém-nascido já comece órfão a vida.


Bom dia, dona Moça! Vim aqui colocar um anúncio no seu jornal. O classificado deve ser assim:

“Busco um texto para meu título. Procurar-me na casa s/n, aquela de cinco portas e nenhuma parede. O ponto de referência é um carro sem lataria, sem motor, sem nada, só com pneus. E ao lado do carro tem uma árvore sem troncos, sem galhos, só folhas. Quem me der um texto, será bem gratificado".

Imagem: Stock photo
Continue Lendo

Blogs Indispensáveis

Membros

Creative Commons License
O Blog Ponderantes está licenciado sob uma licença Creative Commons.

© Ponderantes 2008-2012 Todos os Direitos Reservados | Início |Créditos

Voltar ao TOPO