30 de abril de 2008

Ditados Incoerentes

Ditado:
"A voz do povo é a voz de Deus".


Incoerência:
O ditado coloca o povo e Deus como se possuíssem a mesma característica da perfeição. Na verdade, o povo também pode errar (e como erra!). Temos diversos exemplos, a começar pela própria Bíblia (cito as Escrituras, já que o ditado toca no tema religião): Herodes pediu ao povo que escolhesse entre crucificar o inocente Jesus ou liberar da prisão o perigoso criminoso Barrabás. Herodes lavou as mãos e mandou matar Cristo.
Deus, por sua vez, jamais cometeu equívocos. (Texto de Valdeir Almeida)

Continue Lendo

Regras de Parceria

Os banners e links de texto deverão vir de blogs que tenham conteúdo relacionado ao Ponderantes. Ou seja, que tratem de temas reflexivos, independentemente do gênero*. Portanto, não mais farei parceria com blogs que façam referência exclusiva a celulares, computadores, download grátis, entre outros. Do mesmo modo, blogs que preguem racismo e que contenham pornografia estão totalmente descartados da parceria.

Os banners irão obedecer ao critério da rotatividade. Isto é, quanto mais opinião você postar aqui, melhor será sua posição no “Top Parceiros”. Mas serão excluídos os banners cujos proprietários não estejam entre os 10 maiores comentaristas do Ponderantes.

Se tiver outra proposta, envie-me uma mensagem.

*Ou seja, conteúdo que tratem de temas sob qualquer forma de gênero (crônicas, contos, poesias, piadas, notícias, teses, dissertações, artigos, resenhas, planos de aula charges, fábulas, letras de música, caricaturas ou qualquer outro), o que importa é que nos conduzam à reflexão.


Continue Lendo

Arquivo


Continue Lendo

Sobre o Autor

Meu nome é Valdeir Almeida. Sou baiano apaixonado pelo meu Estado. Moro em Feira de Santana, segunda maior cidade da Bahia.

Sou graduado em Letras e pós-graduado em Linguística. Leciono Língua Portuguesa. Embora eu seja professor, não vejo a profissão como sacerdócio, conforme pensavam algumas mentes oligárquicas. Ainda assim, eu acredito no afeto como um dos fatores determinantes para a aprendizagem.

Amo a leitura e a escrita. Sou fascinado pela palavra. Seja ela produzida por mim ou não; falada ou grafada; articulada ou pensada.




Continue Lendo

Contato




Continue Lendo

Sobre o Blog

O Ponderantes é o espaço onde publico alguns dos meus trabalhos. São contos, crônicas e outros tipos textuais.

É, também, um “mega-fone” através do qual exponho minhas opiniões incomuns (mas coerentes).

Além disso, o Ponderantes me proporciona interagir com pessoas de pensamentos semelhantes aos meus ou com ideias divergentes das minhas. São familiaridades e diversidades que contribuem para a amplitude da minha razão.
Continue Lendo

Termos de Uso

Os textos publicados no Ponderantes são escritos por Valdeir Almeida.

Tais textos só devem ser utilizados mediante prévia autorização do autor. Além disso, é necessário que o uso esteja de acordo com as regras do Creative Commons, onde o Ponderantes está registrado. Ou seja, é permitida a publicação dos textos referidos desde que:

Sejam mencionados o autor Valdeir Almeida e o blog Ponderantes (assim como a URL do blog),

A nenhum desses textos nada se acrescente nem se efetue cortes ou qualquer outra forma de manipulação e

Não sejam utilizados com finalidades comerciais.


OBS: Não apenas os textos mas o Blog Ponderantes como um todo é objeto de proteção legal.
Continue Lendo

O Ponderantes é contra a prática do plágio

O Blog Ponderantes repudia veementemente qualquer espécie de plágio.

O plágio viola os direitos do autor. Quem o pratica está sujeito à Lei nº 9.610/98 (Lei de Direitos Autorais) e à de nº 10.695 do Código Penal.

Esses dispositivos legais determinam que o plagiador indenize sua vítima e que ele sofra pena de 3 meses a 4 anos de detenção.

Dê sua contribuição à blogosfera: crie, invente, faça algo novo. Não custa nada, você se sentirá útil, não precisará copiar ninguém e não se transformará num criminoso.
Continue Lendo

27 de abril de 2008

Brasileiro Tem Memória Curta... Será?

Segundo o ditado, “brasileiro tem memória curta”. Para mim, o problema é outro: escândalos e episódios chocantes acontecem em grande número. Por exemplo, ainda se discutia o caso da menina espancada pela madrasta em Goiás; de repente, surge outra notícia de atrocidade: o assassinato de Isabella em São Paulo.

Desse modo, a questão é o excesso de fatos extraordinários* simultâneos, resultando na dificuldade de assimilá-los.
Quando o assunto é política, no entanto, o adágio popular está correto; muitos brasileiros não se lembram em quem votaram nas últimas eleições, nem das fraudes cometidas por determinados governantes. Por outro lado, o problema pode não ser de “aminésia”, mas de desprezo pelas questões políticas**. Raramente, o eleitor procura informar-se a respeito do passado do seu candidato; irresponsabilidade que pode trazer conseqüências desastrosas por quatro anos.

Aos servidores públicos estaduais, sugiro que andem com o contracheque no bolso, coloque-o na cabeceira da cama e na porta de entrada da casa; assim, não irão se esquecer de votar bem nas próximas eleições.

* Infelizmente, esses fatos são tão comuns, que já se tornou incoerente chamá-los de corriqueiros.

** Aqui não uso o termo “política” para referir-me a envolvimento partidário, mas como forma de exercer a cidadania. Portanto, quando alguém diz que detesta política ou que é apolítico, está, na verdade, falando das legendas. Além disso, fazemos política cotidianamente; por exemplo, ao exigirmos a nota-fiscal numa loja, reclamarmos de alguém que cortou a fila do bando etc. Isso faz parte do verdadeiro conceito da palavra política.
Continue Lendo

25 de abril de 2008

Greve de Professores... na Inglaterra

Pela primeira vez, depois de vinte anos, os professores da Inglaterra deflagram greve. Eles acham injustos os 2,45 % de aumento de salário dado pelo governo. Um professor na terra da rainha Elizabeth recebe mensalmente o equivalente a quatro mil reais. Se com este salário os mestres ingleses paralisam as atividades em sala de aula, por que os governantes do nosso país insistem em dizer que as greves de professores brasileiros são desnecessárias?

O piso salarial de um professor iniciante na Bahia, por exemplo, é ínfimo, de tal forma que é necessário usar lupa para que se possa enxergá-lo. Não estou brincando, a questão é séria. Para quem duvida, peça para ver o contracheque de um amigo seu, que seja professor da Rede Estadual. Mas quando você fizer esse pedido, fale um pouco alto, porque, certamente ele tem problema de audição em virtude do excesso de barulho no ambiente de trabalho.


Continue Lendo

22 de abril de 2008

Os Reclames do Plim-Plim

Cresce cada vez mais o repúdio ao monopólio da Rede Globo de Televisão. O interessante é que os “reclamantes” são os que mais assistem ao plim-plim*. E não é por falta de opção, pois as outras emissoras estão investindo massiçamente em suas programações.


Aliás, palmas para a Rede Record (que é a Globo encarnada e esculpida), a qual em qualidade técnica, profissional, jornalística e de teledramaturgia não fica nada a dever à emissora da família Marinho.

*(A propósito, atirem o primeiro controle remoto quem já permaneceu mais de uma semana sem assistir ao Jornal Nacional, estando em casa no mesmo horário desse programa. Mas temos a capacidade de escolher; então, por que não diversificar?)


(Texto de Valdeir Almeida)


Continue Lendo

19 de abril de 2008

A Chuva

Gosto de ver e ouvir a chuva. Ela se apresenta como paisagem móvel, acompanhada de uma orquestra. Bom também o cheiro que a terra exala quando as águas pluviais lhe tocam.

Só não quero é imaginar o cheiro que sai da terra do jardim ou do quintal de determinados políticos... (Texto de Valdeir Almeida)
Continue Lendo

15 de abril de 2008

O Pequeno Príncipe Ainda é o Dono da Razão

Se, hoje, eu encontrasse o Pequeno Príncipe, a primeira coisa que lhe diria, depois de cumprimentá-lo, seria:

“Principezinho, você pensa que mudou a forma como a amizade é vista? As pessoas continuam a não ter tempo de fazer amigos. Mas agora o ‘pecado’ é ainda maior, pois a tecnologia favoreceu a economia do tempo; por exemplo, inventaram o forno microondas para que não passássemos mais horas a fio fazendo comida; entretanto, estão usando o tempo que se poupa na cozinha para executar outras tarefas referentes ao trabalho.

Certa vez, você disse que as pessoas costumam comprar tudo pronto em lojas; e que, como não existem lojas de amigos, as pessoas não tem mais amigos. Quanto a isso, principezinho, nada mudou. São poucos os que ainda semeiam amizades, porque é necessário ‘ter tempo’ para cultivá-las”.


Só para lembrar, O Pequeno Príncipe foi escrito em 1943, pelo francês Antoine de Saint-Exupéry. (Texto de Valdeir Almeida)

Continue Lendo

10 de abril de 2008

Falta ou Excesso? - O Tempo na Berlinda -

Atualmente, a correria é um símbolo de glamour. E uma das formas que se tem para proclamar tal símbolo é dizer “não tenho tempo”. Infelizmente, essa expressão está atingindo também os relacionamentos interpessoais. Não se dá mais atenção devida aos familiares e amigos, porque “as horas são curtas”.

O problema está, realmente, na falta de tempo disponível ou no excesso de atividades, cuja execução é praticamente inviável em 24 horas?

De fato, o mundo atual exige das pessoas empenho e dedicação cada vez maiores para que possam sobreviver às disputas profissionais. Entretanto, estudos vêm demonstrando que o sucesso (profissional ou qualquer outro) depende, também, de investimentos em relacionamentos saudáveis, pois estes produzem substâncias que estimulam o bem-estar (como a endorfina), a motivação e a criatividade.

Portanto, é necessário, em meio ao corre-corre, parar um pouco, sair do escritório, fechar a agenda, deixar de olhar para o relógio, divertir-se com os amigos, estar com a família, “jogar conversa fora”. A realização dos sonhos também depende disso. ( Texto de Valdeir Almeida)
Continue Lendo

Blogs Indispensáveis

Membros

Creative Commons License
O Blog Ponderantes está licenciado sob uma licença Creative Commons.

© Ponderantes 2008-2012 Todos os Direitos Reservados | Início |Créditos

Voltar ao TOPO